Butantan negocia exportação de vacinas a países sul-americanos

O instituto já entregou cerca de seis milhões de doses da vacina ao governo brasileiro

Esta é uma imagem da coronavac
Legenda: Instituto Butantan negocia venda de doses da coronavac com países da América do Sul
Foto: José Leomar

Países do Cone Sul têm avançado em negociações para adquirir a vacina Coronavac por meio do Instituto Butantan. Outros o fazem por via direta com o laboratório chinês Sinovac, como o Chile, que recebeu os primeiros 2 milhões de doses na última quinta-feira (28).

No Uruguai, o presidente Luis Lacalle Pou anunciou, no último sábado (23), que já está encaminhada a compra de 1,75 milhão de vacinas do laboratório chinês. Na estimativa dele, elas começariam a chegar entre o final de fevereiro e março. Faltaria apenas o pagamento.

Na terça-feira (26), porém, o diretor do Butantan, Dimas Covas, afirmou à reportagem que, diferentemente do que disse o mandatário uruguaio, o acordo com esse país não estava fechado e que havia apenas um "pré-acordo em andamento", sem especificação do número de doses.

As declarações de Covas levantaram polêmica no país vizinho. Na última quarta-feira (27), Lacalle Pou voltou a afirmar que o acordo havia sido feito por meio de "um representante autorizado da Sinovac". A efetivação da compra por meio de outra empresa descumpriria o acordo entre o Butantan e o laboratório chinês, segundo Covas.

Nesta sexta (29), em entrevista à imprensa, Covas afirmou que as negociações envolvendo o Uruguai continuam a todo vapor e são feitas de forma tripartite.

"O pleito do país é discutido pelo Butantan junto com a Sinovac. Neste momento temos uma sinalização muito positiva da Sinovac de uma liberação de 500 mil doses para esses países, excluindo Uruguai e Colômbia, que estão negociando diretamente com a Sinovac, com a participação do Butantan." E acrescentou: "Brevemente teremos as assinaturas de contratos, que não estão assinados. Menciono que toda essa negociação é feita sem prejudicar em nenhum momento o que está planejado para o Brasil. São doses adicionais que virão prontas diretamente da China ou que serão produzidas no Butantan, mas que não afetam em nada os quantitativos anunciados para o Programa Nacional de Imunização".

Na Argentina, de acordo com a agência pública oficial de notícias do país, a Télam, a negociação com o Butantan está em estágio "adiantado".

Covas reafirmou à reportagem que o acordo com a Argentina é "o mais avançado de todos no processo de possíveis exportações" do Butantan. Por ora, a Argentina vem vacinando profissionais da saúde com a vacina russa Sputnik V. Já foram aplicadas 200 mil doses. Porém, o Instituto Gamaleya, que fabrica a Sputnik V, vem descumprindo as datas da entrega dos primeiros 5 milhões de doses, e a Argentina começa a ficar sem opções, uma vez que recusou a oferta da

Pfizer por afirmar que não tem como investir nos ultracongeladores necessários. Assim, o governo afirma que está correndo para assinar contratos para a compra de doses das chinesas Sinopharm e Sinovac, ainda sem número de doses ou de datas definidas.

O Paraguai divulgou um programa de vacinação que tem como objetivo imunizar seus 7 milhões de habitantes. "A ideia é que 30% da população seja vacinada por meio do mecanismo Covax", disse à reportagem Guillermo Sequera, diretor-geral de vigilância sanitária do país.

A vacinação no Paraguai está prevista para começar em meados de fevereiro. A reportagem apurou que 2 milhões de vacinas estão sendo negociadas com a Sinovac, por meio do Butantan. Ainda haveria pedidos para oferecer a Coronavac para o Peru e a Colômbia.

O diretor do Butantan afirmou à reportagem que, com relação a outros países da América Latina, "há conversas, mas ainda nenhum contrato foi assinado com os países". E que, portanto, "não há definição de prazos de entrega nem de valores."

Em paralelo a essas negociações, o diretor cobrava, por meio de ofício, informações concretas do Ministério da Saúde sobre a intenção de comprar ou não mais doses da vacina Coronavac. Segundo Covas, o instituto deve cumprir o contrato de entregar 46 milhões de doses ao ministério. Na última sexta-feira (29), o Ministério da Saúde confirmou a compra de mais 54 milhões de doses da vacina CoronaVac. Com isso, a pasta fecha a compra de 100 milhões de doses de vacina com o Instituto Butantan.

Até o momento, o Butantan já entregou por volta de 6 milhões de doses ao governo federal. No dia 3 de fevereiro, devem chegar da China insumos para a fabricação de 8,6 milhões de doses.

A expectativa do Butantan é conseguir entregar todas as doses compradas pelo governo federal até abril.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil