Bruno é indiciado por sumiço de Eliza Samudio

Legenda:
Foto:
Entre os crimes imputados estão sequestro, cárcere privado, homicídio e ocultação de cadáver

Belo Horizonte - A Polícia Civil de Minas Gerais informou que concluiu, no fim da tarde desta quinta-feira, o inquérito sobre o desaparecimento de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, suspenso do Flamengo. O documento tem oito volumes, três anexos e 1.600 páginas.

Segundo a Polícia, o inquérito será encaminhado à Justiça hoje. Bruno foi indiciado por homicídio, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e corrupção de menores.

Também foram indiciados pelos mesmos crimes os demais envolvidos: Luiz Henrique Ferreira Romão (Macarrão), Flávio Caetano de Araújo, Wemerson Marques de Souza (Coxinha), Dayane Rodriques do Carmo Souza (mulher de Bruno), Elenilson Vitor da Silva, Sérgio Rosa Sales (Camelo, primo de Bruna) e Fernanda Gomes de Castro (amante de Bruno).

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos (Bola) foi indiciado por homicídio qualificado, formação de quadrilha e ocultação de cadáver.

Ontem, o pai de Eliza, Luiz Carlos Samudio, esteve no DIHPP e disse estar satisfeito com o trabalho da Polícia e acredita que a Justiça será feita. "Nós não temos dúvidas de que o Bruno é o responsável por esse crime hediondo e cruel".

Bruno raspou a cabeça no presídio de Contagem (MG). O cabelo do atleta foi queimado na sua frente, nesta semana, como garantia de que não seria usado em um exame de DNA.

O jogador se recusou a fornecer material para o teste. Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e os outros cinco homens presos por suspeita de envolvimento no caso também tiveram a cabeça raspada. Ontem, o ex-goleiro e mais seis suspeitos presos foram levados ao Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa para fazer coletas digitais.
Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil