VÍDEO: Furacão Pamela toca solo do México e causa danos de baixo impacto

O fenômeno rapidamente se dissipou em uma tempestade tropical. As fortes chuva e ventania causaram pequenos danos

O furacão Pamela tocou o solo da costa do Pacífico do México, nesta quarta-feira (13), mas rapidamente se degradou em uma tempestade tropical e causou chuvas torrenciais e ventos fortes que deixaram pequenos danos, como árvores e postes caídos, no estado de Sinaloa.

O fenômeno ocorreu ao meio-dia do horário local (9h de Brasília) como furacão de categoria 1 na escala de Saffir-Simpson (até 5) a cerca de 65 quilômetros ao norte do porto de Mazatlan, com ventos sustentados de 120 km/h, de acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC).

À medida que avançava sobre a terra, o fenômeno perdia força até se degradar em uma tempestade tropical, com ventos sustentados de 100 km/h, disse o último relatório do NHC. Sinaloa é o estado mexicano mais afetado pelo fenômeno, que também deixa fortes chuvas nas vizinhas Nayarit e Durango, de acordo com a Comissão Nacional de Águas do México.

Danos menores

No porto de Mazatlan, com cerca de 500 mil habitantes e a maior cidade da zona de impacto, a passagem do fenômeno deixou árvores e postes derrubados e ruas inundadas em alguns setores, confirmou a AFP. A Proteção Civil de Sinaloa divulgou imagens de equipes de resgate ajudando a transferir moradores de áreas inundadas para abrigos.

Cidadãos mexicanos se protegem de chuvas torrenciais que antecederam a chegada do furacão no país.
Legenda: Cidadãos mexicanos se protegem de chuvas torrenciais que antecederam a chegada do furacão no país.
Foto: Rashide Frias/AFP

Na terça-feira, 16 cidadãos americanos foram levados para abrigos depois de ficarem presos no aeroporto local devido ao cancelamento de seus voos pelas condições climáticas. As autoridades pediram aos moradores das áreas rurais da zona de impacto que fossem para refúgios diante do risco de inundações.

Furacões no México

O México sofre regularmente com ciclones tropicais nas costas do Pacífico e do Atlântico. Neste ano, o mais letal foi Grace, que atingiu o continente primeiro no Caribe e depois no estado de Veracruz (leste), deixando 11 mortos naquele estado e na vizinha Puebla.

Relembre

O furacão Nora atingiu a costa no final de agosto no estado de Jalisco, no Pacífico, deixando um menor espanhol e uma mulher desaparecida.

Enquanto Olaf atingiu o continente em setembro como um furacão na península de Baja California, deixando pequenos danos materiais. nesta quarta-feira (13), mas rapidamente se degradou em uma tempestade tropical e causou chuvas torrenciais e ventos fortes que deixaram pequenos danos, como árvores e postes caídos, no estado de Sinaloa.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo