Senador Bernie Sanders desiste da campanha pela presidência dos Estados Unidos

A decisão abre caminho para a indicação do ex-vice-presidente Joe Biden como candidato democrata para enfrentar Donald Trump

Legenda: O senador desistiu de disputar a eleição presidencial nos EUA pelo Partido Democrata
Foto: Foto: AFP

O senador Bernie Sanders suspendeu sua campanha para se tornar presidente dos EUA pelo Partido Democrata. A desistência abre caminho para a indicação do ex-vice-presidente Joe Biden para a disputa pela Casa Branca. 

Sanders disse à equipe de sua campanha sobre sua decisão em uma teleconferência nesta quarta-feira (8), antes de se dirigir a seus partidários em mensagem de vídeo. "Hoje estou suspendendo minha campanha. Mas, mesmo que a campanha termine, a luta pela justiça continua", disse o senador na mensagem aos seus seguidores transmitida ao vivo em sua conta no Twitter.

Figura da esquerda americana, Sanders encerra sua segunda tentativa de obter a indicação presidencial democrata, depois de ser derrotado em 2016 por Hillary Clinton.

Desta forma, Biden, ex-vice-presidente de Barack Obama de 77 anos, deve enfrentar Trump em 3 de novembro. Mas ele ainda não foi oficialmente indicado como candidato pelo partido na convenção nacional, adiada para agosto devido à pandemia de coronavírus.

A desistência de Sanders representa uma vitória para a ala mais moderada do Partido Democrata. Em uma disputa que começou com mais de 20 concorrentes, a união em torno do nome de Biden, apoiado por grande parte dos desistentes, acabou esvaziando a candidatura do senador.  Apesar disso, ele afirmou que irá trabalhar com Joe Biden para derrotar Donald Trump. 

Disputa

Após um bom início nas primárias, Sander perdeu a força e foi ficando para trás em estados importantes. Começando na Carolina do Sul no final de fevereiro e culminando com uma série de perdas no último mês em estados cruciais como Michigan e Flórida. 

Além disso, com o avanço da pandemia nos Estados Unidos, diversas primárias democratas foram canceladas.

A emergência de saúde pública acabou impedindo ainda que tanto Biden como Sander realizassem eventos de campanha pessoalmente. Isso diminui a presença do senador, que passou a fazer apenas transmissões ao vivo em plataformas digitais, com ocasionais aparições em programas de TV. Além disso, o senador de 78 anos faz parte do grupo de risco da COVID-19.

Sanders falhou ainda na promessa de atrair mais jovens eleitores, além de não ter conseguido ampliar o apoio de afro-americanos, parcela importante do eleitorado democrata. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo