Reino Unido e União Europeia chegam a acordo comercial pós-Brexit

Depois de meses de negociações entre suas cúpulas, chegou-se a consenso para regular como será a relação entre eles a partir de 2021, o último passo que faltava para selar a separação entre Londres e Bruxelas

Boris Jonhson
Legenda: O anúncio oficial do acerto foi feito pelo gabinete do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson
Foto: Foto: Paul Grover / AFP

Após longas horas de negociações tensas, Reino Unido e a União Europeia alcançaram nesta quinta-feira (24) um acordo comercial pós-Brexit a apenas uma semana da separação definitiva. O acordo permitirá evitar uma ruptura brusca de consequências caóticas. Como as duas economias são interdependentes após décadas de integração - quase metade do comércio exterior britânico é com o bloco europeu -, uma resolução era aguardada com ansiedade.

O anúncio oficial do acerto foi feito pelo gabinete do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. O Reino Unido continuará sendo "amigo, aliado e o primeiro mercado" da União Europeia apesar do Brexit, disse Johnson, antes de afirmar que o acordo comercial é "bom para toda a Europa" .

"Digo isso diretamente aos nossos amigos e parceiros na UE: acredito que este acordo significa uma nova estabilidade e certeza no que tem sido uma relação às vezes amarga e difícil. Seremos seus amigos, seus aliados, seu apoio e, não esquecemos , seu primeiro mercado porque, embora tenhamos abandonado a UE, este país permanece cultural, emocional, histórico, estratégico e geopoliticamente unido à Europa", afirmou o primeiro-ministro britânico.

Para a presidenta da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, muito envolvida nas negociações, que corriam o risco de fracasso até o fim, o pacto comercial pós-Brexit é um "bom acordo, equilibrado, justo". O Reino Unido continuará sendo "um sócio digno de confiança", disse em Bruxelas. O tratado de livre comércio "nos permitirá deixar para trás o Brexit definitivamente", completou.

Acordo

O principal atributo do texto é que ele zera as tarifas de todos os bens transacionados entre as duas costas do Canal da Mancha. Essa será a primeira vez em que a UE retira 100% da estrutura tarifária com um de seus parceiros comerciais.

Na área da pesca, tema que gerou a maior parte das divergências durante as discussões, o documento estabelece aumento na cota de peixes a que os britânicos têm direito em mares ingleses. Haverá um período de transição de 5,5 anos, nos quais navios europeus terão acesso a essas águas. A estimativa é de que haja acréscimo de 146 milhões de libras no valor em peixes destinado ao Reino Unido.

Pleito central de Londres, a disposição regulatória dos intercâmbios entre as duas partes será ditada pela lei internacional, não pelo Direito europeu. O acordo prevê a contínua colaboração judicial, o que inclui compartilhamento de informações sobre crimes e investigações conjuntas.

O tratado também encerra a jurisdição do regime de auxílio estatal da UE sobre o Reino Unido e permite que Londres estruture seu próprio sistema de subsídios.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo