Presidente das Filipinas diz que quem recusar vacina contra Covid-19 pode ser preso

País não tem vacinação obrigatória e Rodrigo Duterte tenta incentivar a imunização

Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte
Legenda: Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, em pronunciamento realizado em 2020
Foto: AFP

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, afirmou que pode prender quem se recusar a tomar vacina contra Covid-19, em pronunciamento na TV realizado nesta segunda-feira (21). As informações são do portal G1.

"Você escolhe: vacina ou vai preso", disse Duterte. O presidente tenta incentivar a vacinação diante da baixa procura em partes de Manila, a capital filipina.

O país tem 110 milhões de habitantes e só imunizou 2,1 milhões de pessoas até domingo (20). "Não me levem a mal, há uma crise em nosso país. Estou apenas irritado com os filipinos que não estão ouvindo o governo", ressaltou o presidente.

O país passa por um surto de casos da doença, assim como outros países asiáticos. Já foram registrados 1,3 milhão de casos e mais de 23 mil mortes nas Filipinas. 

Apesar da declaração de Duterte, a vacinação no país não é obrigatória. O governo tem o plano de imunizar 70 milhões de doses até o fim de 2021. 

O presidente se vacinou contra a doença em 3 de maio. Em julho de 2020, Duterte se posicionou contra a reabertura de atividades econômicas realizada no Brasil e nos Estados Unidos. 

"Nós somos pobres, não podemos nos arriscar", afirmou ao anunciar que as Filipinas seguiriam um ritmo diferente.

"Os presidentes [de EUA e Brasil] são até corajosos, Bolsonaro tem dinheiro. Ele é como Trump e tem uma atitude 'o diabo que o carregue'", disse sobre o presidente brasileiro. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo