Destroços de foguete descontrolado chinês devem cair em território norte-americano

Os detritos têm chegada estimada na Terra no sábado (8), mas localização exata ainda é incerta

Foguete chinês
Legenda: O Long March 5B foi lançado no dia 29 de abril para colocar em órbita o Tianhe, módulo principal da primeira estação espacial permanente da China
Foto: STR / AFP

A localização exata da queda do foguete chinês Long March 5B ainda é uma grande incerteza e, talvez, uma das maiores curiosidades da semana. Até o momento, estima-se apenas que os destroços devam cair no Oceano Pacífico, em território pertencente aos Estados Unidos

A localidade precisa, no entanto, ainda é incerta, segundo informações do jornal China’s Global Times, publicadas pelo portal G1. 

O Long March 5B foi lançado no dia 29 de abril para colocar em órbita o Tianhe, módulo principal da primeira estação espacial permanente da China.

Os detritos que cairão na Terra fazem parte do primeiro estágio do foguete, que possui cerca de 30 metros de comprimento, 5 metros de largura e 187 toneladas.

A trajetória do foguete está sendo rastreada pelo 18º Esquadrão de Controle Espacial dos EUA, e a chegada dos destroços está prevista para acontecer por volta das 23h30 do sábado (8). O órgão explicou que o ponto de entrada exato na atmosfera da Terra só pode ser determinado até poucas horas após sua reentrada. 

Especialistas desconsideram, no entanto, a possibilidade de o objeto causar danos em regiões habitadas, uma vez que maior parte dos destroços deva queimar na entrada da atmosfera. 

"Não é desprezível, pode acontecer, mas o risco de bater em você é incrivelmente pequeno", disse o especialista do Centro de Astrofísica da Universidade de Harvard, Jonathan McDowell, em entrevista ao canal CNN. 

Ainda segundo o jornal China's Global Times, a rede de monitoramento espacial do país observa cuidadosamente a área da trajetória do foguete e tomará medidas para evitar danos aos navios que passam pela região.

Planos para o foguete

Os Estados Unidos não têm planos de destruir o foguete, segundo o secretário de Defesa americano, Lloyd Austin. "Temos a capacidade de fazer muitas coisas, mas não temos um plano para derrubá-lo agora", revelou Austin aos repórteres, nesta quinta-feira (6).

"Temos esperança de que ele caia em um lugar onde não prejudique ninguém. Torcemos para que seja no oceano ou em algum lugar assim", explicou Austin, que insinuou negligência por parte da China em deixar o corpo do foguete sair da órbita.

“Eu acho que isso mostra o fato de que, para aqueles de nós que operam no domínio espacial, existem requisitos (de segurança), ou deveria haver um requisito para operar com segurança e consideração”, criticou Austin.

Precisamos "ter certeza de levar esse tipo de coisa em consideração quando planejamos e conduzimos operações" no espaço, acrescentou.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo

Assuntos Relacionados