Novavax tem eficácia geral de 90,4% e protege contra as variantes do coronavírus, diz empresa

Estudo para verificar a segurança e imunogenicidade da vacina envolveu quase 30 mil pessoas nos EUA e no México

eficácia da novavax
Legenda: Uma ilustração mostra frascos com adesivos de vacina Covid-19 e seringas com o logotipo da Novavax
Foto: Justin Tallis/AFP

O imunizante contra a Covid-19 da Novavax apresenta uma eficácia geral de 90,4%, inclusive contra as variantes do coronavírus, e de 100% nos casos moderados e graves da doença pandêmica. A informação foi divuldada pelo próprio laboratório americano nesta segunda-feira (14). 

Segundo comunicado da companhia, os dados foram obtidos após um estudo  feito com "29.960 participantes em 119 lugares de Estados Unidos e México para avaliar eficácia, segurança e imunogenicidade".

Ao longo do levantamento, o laboratório identificou 77 casos de Covid-19, sendo que 63 estavam no grupo placebo e 14 na fatia que recebeu as doses 1 e 2, aplicadas com intervalo de três semanas.

A farmacêutica utilizou o método “recombinante”, isto é, utiliza réplicas da proteína que o coronavírus usa para penetrar nas células do corpo e produzir anticorpos. 

As reações adversas pós-imunização foram consideradas leves, a exemplo de dor muscular e no lugar onde o imunizante foi aplicado, além de dores de cabeça e fadigas que duraram até três dias.

O estudo descobriu também que a injeção é igualmente eficaz contra novas cepas do coronavírus, especialmente a alfa, dominante nos Estados Unidos, anteriormente nomeada como B.1.1.7, identificada no Reino Unido.

“Esses resultados clínicos reforçam que [a vacina] NVX-CoV2373 é extremamente eficaz e oferece proteção completa contra covid-19 moderada e grave”, avaliou o presidente e diretor executivo da Novavax, Stanley C. Erck.

Autorização pendente

No entanto, a vacina ainda depende de aprovação regulatória, cujo pedido deverá ser realizado até o terceiro trimestre de 2021.

A próxima etapa será o envasamento de 100 milhões de doses por mês até o final do terceiro trimestre, e 150 milhões de doses por mês, até o final do ano.

Depois da distribuição nos Estados Unidos, a vacina poderá ser enviada primeiro aos países de baixa e média renda, através da iniciativa internacional Covax Facility, possivelmente já no final do mês de setembro. Conforme o planejamento da empresa, 1,1 bilhão de doses serão destinadas ao consórcio.  

"Hoje, a Novavax está um passo mais perto de abordar a necessidade crítica e persistente de saúde pública mundial por vacinas covid-19 adicionais", afirmou o CEO da empresa, Stanley Erck. 

Conservação

Ao contrário de algumas das vacinas que já estão sendo aplicadas, o imunizante da Novavax, conhecido formalmente como NVX-CoV2373, não precisa ser mantido em temperaturas ultrabaixas. 

A empresa detalhou que fica "armazenada e estável entre 2°C e 8°C, permitindo o uso dos canais da cadeia de fornecimento de vacinas existentes para sua distribuição".

Na prática, pelo menos em tese, isso significa que estas vacinas devem ser transportadas e administradas mais facilmente em países com infraestruturas sanitárias menos desenvolvidas.