Polícia Civil deflagra "Operação Pompeius" em 20 municípios do Ceará

Agentes cumprem 185 mandados de prisão, busca e apreensão contra envolvidos em tráfico de drogas

operação pompeius
Legenda: Ação da Polícia Civil mira envolvidos com o comércio de entorpecentes
Foto: Halisson Ferreira

A "Operação Pompeius", deflagrada pela Polícia Civil do Ceará no início da manhã desta quarta-feira (31), cumpre 185 mandados contra integrantes de uma organização criminosa envolvida com o tráfico de drogas em Fortaleza, Região Metropolitana e no Interior. Até as 11h, os agentes de segurança capturaram 35 pessoas e cumpriram mais sete mandados de prisão contra detentos do sistema prisional cearense. 

Entre os capturados, os agentes prenderam uma mulher, conhecida como "Irmã Catarina", que, segundo as investigações, seria a chefe do tráfico no bairro Bom Jardim.

Do total de mandados, 89 são de prisão e 96 de busca e apreensão, expedidos pela Vara de Delitos de Organizações Criminosas, contra alvos localizados em 20 bairros de Fortaleza.  

operação pompeius
Legenda: Na Capital, presos estão sendo conduzidos para a Delegacia de Narcóticos
Foto: Halisson Ferreira

Há suspeitos ainda nas cidades de Acaraú, Aracati, Barbalha, Beberibe, Caririaçu, Caucaia, Crato, Jaguaribe, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Missão Velha, Mombaça, Morada Nova, Nova Olinda, Pacatuba, Pacajus, Palmácia, Pindoretama e Quixadá. 

Aproximadamente 320 policiais civis em 100 viaturas participam da operação que está sendo realizada simultaneamente em 20 municípios. Os agentes continuam a cumprir os mandados ao longo desta quarta-feira. 

operação pompeius
Legenda: Ao todo, serão cumpridos 89 mandados de prisão
Foto: Halisson Ferreira

Origem da operação

De acordo com o delegado titular da Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (Denarc), Alisson Gomes, a "Operação Pompeius" teve início há seis meses, após a prisão de um indivíduo intitulado como "Skank". Com ele, os agentes apreenderam aparelhos eletrônicos com informações que motivaram o início da investigação policial.  

Skank desempenhava a função de moderador de grupos em aplicativos de troca de mensagens e organizava a logística do tráfico de drogas da organização criminosa que fazia parte, detalhou o delegado. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança