Operação contra corrupção em licitações na Prefeitura Beberibe é deflagrada

Ministério Público do Ceará e Polícia Civil cumpriram 11 mandados de busca e apreensão em cinco cidades cearenses

Uma operação com foco em investigações sobre corrupção em licitações da Prefeitura de Beberibe foi deflagrada, na manhã desta quarta-feira (18), pelo Ministério Público do Ceará (MPCE) e cumpriu 11 mandados de busca e apreensão em cinco cidades cearenses.

A Operação Uruanda apura suspeitas de corrupção, fraude à licitação, peculato, associação criminosa e falsidade documental envolvendo locação de veículos do Poder Municipal em Beberibe. De acordo com o MPCE, foi apreendida uma quantia aproximada de R$ 130 mil em espécie, sob poder de dois investigados.

Os 11 mandados de busca e apreensão foram cumpridos na cidade-alvo da Operação, além de Fortaleza, Maracanaú, Pacatuba e Choró. No centro das investigações, estão as ex-chefes de gabinete da Prefeitura de Beberibe, Adélia Colaço Bessa e Ingrid Peixoto Bessa. Além delas, também estão o servidor Márcio Santos de Almeida, os empresários Tiziano Moura Belchior, Bárbara Stephanie Capistrano e Luiz Gonzaga Cordulino Junior. Também são alvos os particulares Suyanne Caetano Dias e Cleylton Ferreira da Silva, conhecido por “Cabeça de Choró”.

O caso

Segundo as apurações do Ministério Público, as licitações para locação de veículos foram abertas no ano de 2017 e teriam sido direcionadas para a empresa Perfomance. Sócios e funcionários da organização teriam passado a pagar propina a servidores da Prefeitura em troa de fraude no pagamento. Os desvios teriam gerado superfaturamento, prejuízo aos cofres públicos e enriquecimento ilícito dos suspeitos. 

Conforme as investigações, ainda haveria conluio entre as empresas Performance e K3, que pertenceriam, na verdade, ao mesmo grupo de suspeitos, no intuito de simular competitividade na licitação e garantir a vitória da primeira empresa.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança