Morador diz ter apartamento invadido e itens roubados por proprietário que cobra aluguel atrasado

O dono do imóvel negou a invasão, mas confirmou que há meses não recebe o valor referente ao aluguel; polícia investiga o caso

Legenda: Caso aconteceu em um condomínio no bairro Planalto Ayrton Sena
Foto: Foto: Ricardo Mota

O morador de um condomínio registrou um boletim de ocorrência e relatou ter tido o apartamento invadido pelo proprietário, na manhã deste domingo (1º), no bairro Planalto Ayrton Sena, em Fortaleza. O dono do imóvel cobra dois meses de aluguel. Segundo o morador, esta é a segunda vez que o local é invadido em menos de uma semana. No último domingo, dia 24 de novembro, foram levadas uma TV e uma quantia de R$ 1.500,00. 

Ainda segundo o locatário do imóvel, o valor do aluguel não foi repassado para o dono porque não foram feitas reformas solicitadas pelo morador. Ele estava retendo o dinheiro do pagamento até que as obras de reparo fossem concluídas, o que até então não tinha sido feito. O contrato de aluguel está em vigor até maio de 2020.

O Diário do Nordeste entrou em contato com o dono do apartamento, que negou a invasão e o roubo dos objetos e dos valores, além  de negar ter danificado o carro, mas informou que há meses o inquilino não repassa o valor do aluguel. Ele rebateu a informação de falta de manutenção, dizendo que possui mais dois imóveis no mesmo condomínio e que sempre vai no empreendimento para solucionar os eventuais problemas dos locatários.

Boletim de ocorrência

Conforme registrado em boletim de ocorrência, o apartamento foi invadido pelo proprietário e outros quatro homens. Ao chegar no imóvel, o morador viu gavetas reviradas e imóveis quebrados. Ele relata também ter sido agredido a socos e pontapés depois de ter pedido para os homens saírem do apartamento. O motorista de aplicativo teve o carro danificado e uma arma de fogo apontada para ele. 

Legenda: Gaveta revirada no quarto do apartamento
Foto: Foto: Arquivo pessoal

O boletim de ocorrência foi registrado no 30º Distrito Policial, mas o caso foi transferido para o 8º DP, onde será investigado.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança