Juiz suspende transferência de líder da GDE

A defesa de 'Celim' teria alegado que ele sofreu ameaças de morte dentro da unidade prisional onde está mantido. O MPCE já havia se posicionado contra a mudança de equipamento

O Poder Judiciário do Estado do Ceará suspendeu a transferência entre estabelecimentos penais que favoreceria Auricélio Sousa Freitas, o 'Celim', apontado como um dos líderes e fundadores da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE). A decisão foi divulgada nesta segunda-feira (15).

Há pouco mais de uma semana, o Diário do Nordeste já havia antecipado que a transferência poderia sofrer um revés. O Ministério Público do Ceará (MPCE) tinha se posicionado contra a medida após ser publicada matéria falando do pedido de transferência impetrado pela defesa de 'Celim'.

Para justificar a suspensão, o juiz Luiz Bessa Neto ponderou "o agravamento do contingenciamento de presos nas unidades prisionais da Região Metropolitana de Fortaleza". O magistrado acrescentou que é preciso assegurar o acolhimento de 'Celim' em uma unidade prisional compatível com o seu perfil criminológico.

O advogado de defesa de Auricélio Sousa havia alegado que seu cliente recebeu ameaças de morte dentro da unidade prisional onde é mantido. O posicionamento do Ministério destacou que a transferência poderia fazer com que o membro da GDE voltasse à cena criminosa ao ficar próximo aos seus subordinados.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de segurança?