Grupo suspeito de integrar organização criminosa é alvo de operação em condomínio na Pacatuba

Segundo a polícia, o intuito da operação era coibir uma organização criminosa local que buscava firmar território dentro do condomínio Residencial Pacatuba II

Legenda: Operação da polícia resultou na captura de quatro pessoas suspeitas de integrarem organização criminosa na Grande Fortaleza.
Foto: Reprodução/SSPDS

Um grupo suspeito de integrar uma organização criminosa foi detido pela Polícia Civil em uma operação em um condomínio residencial no bairro Jereissati III, em Pacatuba, na Região Metropolitana de Fortaleza, na manhã desta quinta-feira (25). Durante a operação, drogas e dinheiro foram apreendidos.

O intuito da operação é coibir a organização criminosa que buscava firmar território dentro do condomínio, Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Conforme a SSPDS, a operação teve como objetivo o cumprimento de 13 mandados judiciais, sendo cinco deles de prisão preventiva pelo crime de organização criminosa e oito de busca e apreensão, expedidos pelo juízo da Vara de Delitos de Organização Criminosa em Fortaleza.

Policiais civis fizeram buscas e, durante a ação, prenderam Émerson Mendes Alcântara, de 32 anos, com antecedentes criminais por roubo, furto de carga, crime contra a administração pública e crime ambiental; e Ramon Damião da Silva, 21 anos, com antecedentes criminais por crime contra a paz pública, tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo, homicídio doloso e receptação.

Pablo Sousa Silva, de 25 anos, com antecedentes criminais por tráfico de drogas e crime contra a paz pública, foi preso em flagrante por tráfico de drogas, e um adolescente de 17 anos foi autuado por uso de entorpecentes.

Ao todo, foram encontrados quase meio quilo de cocaína e crack, um aparelho celular, documentos diversos e aproximadamente mil reais em espécie.

Os suspeitos foram encaminhados para o 24º Distrito Policial, onde foram realizados os procedimentos cabíveis à prisão. Eles estão à disposição da Justiça. A Polícia Civil segue investigando os casos de crimes na região.