Ex-diretor jurídico do Porto de Santos, preso nessa quinta-feira em Fortaleza, é solto

O pedido de habeas corpus foi acolhido pelo desembargador Fausto de Sanctis, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região. Gabriel Eufrásio foi preso na manhã dessa quinta-feira (22)

Um dia após ter sido preso em Fortaleza, Gabriel Nogueira Eufrásio, ex-diretor jurídico da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), foi solto. Nesta sexta-feira (23), o desembargador Fausto de Sanctis, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região acolheu pedido de habeas corpus a favor de Gabriel e mais 10 investigados na Operação Círculo Vicioso. 

A defesa de Francisco José Adriano, um dos outros 10 investigados, entrou com o pedido de habeas corpus alegando que não se sustenta o fato de que soltos os suspeitos podem combinar versões ou não prestar os esclarecimentos necessários às autoridades. Quando o magistrado deferiu a liminar revogando a prisão temporária o benefício foi estendido aos demais alvos da operação deflagrada pela Polícia Federal.

Gabriel Nogueira e os demais são suspeitos de participar de fraudes em licitações e contratos públicos da administradora do Porto de Santos. Contra o ex-diretor jurídico também foi expedido mandado de busca e apreensão. A PF informou que os prejuízos causados à Codesp podem ultrapassar a soma de R$ 100 milhões.  

Procurado pela reportagem, Leandro Vasques, um dos advogados de Gabriel Eufrásio, disse que não iria se pronunciar por conta do sigilo das investigações. A Operação Círculo Vicioso é a segunda etapa da Operação Tritão, desencadeada em outubro de 2018. Houve ainda mandados cumpridos em cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.


 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de segurança?