Empresários e vereadores de Crateús são suspeitos de movimentar R$ 1 mi em contratos fraudulentos

Investigação realizada pelo Ministério Público aponta movimentação de mais de R$ 1 milhão nas contas de suspeitos envolvidos com os contratos, com objetos loteados entre várias empresas.

O Ministério Público do Ceará (MPCE) deflagrou, na manhã desta quinta-feira (17), uma operação que investiga corrupção, peculato e lavagem de dinheiro em contratos da Câmara Municipal de Crateús. Duas pessoas foram presas na operação e um investigado está foragido.

A investigação realizada pelo MPCE aponta movimentação de mais de R$ 1 milhão nas contas de suspeitos envolvidos com contratos de consultoria contábil e financeira, supostamente "de fachada", com valores que eram repassados, em parte, a integrantes do esquema.

De acordo com o MPCE, os crimes começaram em 2015. Além dos três mandados de prisão, há 15 de busca e apreensão sendo cumpridos nesta quinta-feira (17).

A Operação Vértice tem como alvos um secretário municipal, quatro empresários, quatro vereadores e quatro servidores da Câmara Municipal de Crateús.

Os mandados foram expedidos pela 3ª Vara da Comarca da cidade e estão sendo cumpridos nas cidades de Crateús, Poranga, Barroquinha e Fortaleza, com diligências também no estado do Piauí. 

Em nota, o atual presidente da Câmara Municipal de Crateús, Manoel Conegundes Soares, salientou que “os fatos apurados são desvinculados da atual gestão do Legislativo Crateuense". E acrescentou "que aguarda que todos os atos desse processo sejam praticados em sintonia com o devido processo legal".

“Esperamos que os acionados possam exercer suas defesas de modo amplo, esclarecendo os pontos controversos. Reafirmamos nosso compromisso de colaborar com a Justiça e de continuar lutando em favor de melhores dias para o povo da nossa terra”, completou o presidente, em nota.

A Operação do MPCE teve o apoio do Departamento Técnico Operacional (DTO) da Polícia Civil, Grupo Especial de Combate à Corrução (GECOC) e da 4ª Promotoria de Justiça de Crateús.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança