Cozinheiro suspeito de matar professora de Sobral já responde por feminicídio cometido em 2011

Rafael Andrade foi preso nesta sexta-feira (16), na cidade de Águas Lindas de Goiás. Ele confessou o crime.

Legenda: A professora Aila Pinto Cardoso, de 34 anos, foi morta dentro de casa a facadas.
Foto: Foto: Arquivo Pessoal

O cozinheiro suspeito de matar a professora cearense Aila Pinto Cardoso a facadas em Goiás, no dia 16 de julho, já havia cometido outro feminicídio em 2011. A informação é da Polícia Civil de Anápolis (GO). Rafael Andrade foi preso nesta quinta-feira (16), na cidade de Águas Lindas de Goiás, e confessou o crime durante depoimento, alegando que teria agido em legítima defesa. Para a Polícia, no entanto, a versão do cozinheiro não condiz com as evidências do assassinato, já que a vitima foi morta com 25 facadas, sendo uma delas pelas costas. Um inquérito sobre o caso deve ser concluído em até 30 dias. 

As informações sobre a prisão do cozinheiro foram confirmadas pela família da vítima ao Sistema Verdes Mares

"Estamos muito confiantes em saber que ele está preso e temos fé de que ele vai pagar por tudo o que ele fez. E aliviados, porque ele estava ameaçando minha família", disse Andreia Cardoso Pinto, irmã de Aila. Ela afirmou ainda que vive momentos difíceis. "Tristeza profunda em saber que minha irmã está morta e da forma de como ele a matou", relatou.

Em entrevista ao Diário do Nordeste na época do crime, a mãe da vítima, Maria Cardoso Pinto, informou que a professora e o cozinheiro se conheceram nas redes sociais e que estavam morando juntos em Goiás. 

Segundo ela, a filha iniciou uma relação com o suspeito em maio deste ano. Depois de 15 dias, Aila decidiu ir morar com Rafael, que também é natural de Sobral, mas estava vivendo em Anápolis. Contudo, ela se arrependeu e avisou que iria voltar para Sobral. 

Legenda: A página do Facebook do cozinheiro continuou sendo atualizada com fotos e mensagens sobre o crime.
Foto: Arquivo Pessoal

Ameaças 

Após o crime, familiares informaram que Rafael estava trocando mensagens com uma parente de Aila, fazendo ameaças através de mensagens. “Bora marcar para a gente se encontrar. Tô chegando aí no Ceará amanhã de manhã cedo. Tu pensa que eu tenho medo. Tô aí pró q der e vier”, escreveu.

A página do Facebook do cozinheiro continuou sendo atualizada com fotos e mensagens sobre o crime. Em uma das imagens, o suspeito apareceu segurando um copo de bebiba alcoólica. 

“É, eu tento me confortar de alguma forma, sei que estou errado, mas essa é a única maneira de fazer as coisas dentro de mim se calmarem”, disse.