Cantora de forró convocada a depor a favor de 'Victor Motoca'; réu vai a júri por morte de vendedor

O julgamento de 'Victor Motoca' deve acontecer no próximo dia 30 de maio. A vítima trabalhava no momento em que foi atingida por um veículo em alta velocidade

Escrito por Emanoela Campelo de Melo, emanoela.campelo@svm.com.br

Segurança
victor motoca
Legenda: 'Motoca' é réu pela morte de um vendedor de tapioca, que foi atropelado enquanto trabalhava, em Fortaleza.
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Passados mais de cinco anos desde o dia do crime, Victor de Carvalho Alves, conhecido como 'Victor Motoca' deve ir a júri. O julgamento está marcado para acontecer no próximo dia 30 de maio, a partir das 10h. O réu e testemunhas de defesa e de acusação foram requeridos a estarem presentes durante a sessão, anteriormente prevista para se realizar no fim de 2021.

Dentre as testemunhas de defesa convocadas a participarem do julgamento está uma cantora de forró. A artista é natural de Pernambuco, mas fez carreira e reside atualmente no Ceará. A reportagem apurou que 'Motoca' e a cantora, de nome preservado, são amigos de 'longa data'.

'Motoca' é réu pela morte de um vendedor de tapioca, que foi atropelado enquanto trabalhava, em Fortaleza. O episódio trágico vitimou Auricélio Lima Vieira e repercute na imprensa desde 2017. Auricélio trafegava em uma moto pelas ruas do bairro Pio XII, na manhã do dia 7 de abril de 2017, quando foi atingido por um automóvel de luxo, conduzido pelo acusado.

Ainda em fevereiro de 2018 a Justiça decidiu que Victor iria a júri popular. Conforme decisão, 'Motoca' será julgado por homicídio com dolo eventual (quando o agente, mesmo sem ter a intenção de causar a morte, assume o risco de que ela ocorra) qualificado pelo uso de meio que possa resultar perigo comum. O réu também deverá responder por embriaguez ao volante.

Os advogados Paulo Quezado e Eduardo Quezado, representantes da defesa do denunciado, se dizem ansiosos pelo julgamento. De acordo com a defesa, "a expectativa é mostrar provas técnicas e testemunhais aos jurados".

O júri estava marcado para o dia 17 de novembro de 2021. Na época, a defesa pediu adiamento destacando que naquela data seria realizada a eleição da OAB/CE e havia representante legal em licença médica.


ALTA VELOCIDADE

Conforme a investigação, testemunhas afirmaram que o motorista atropelou Auricélio Lima, quando dirigia em alta velocidade, e na contramão, perseguindo duas travestis. O réu chegou a ser denunciado também pela tentativa de homicídio contra as pessoas que perseguia.

Durante o processo, o magistrado decidiu pela impronúncia ao considerar que as vítimas, até o momento, não foram encontradas, nem ouvidas, portando, não existiriam "indícios concretos suficientes de ocorrência deste tipo penal".

De acordo com dados da Autarquia Municipal de Trânsito de Fortaleza (AMC) anexados ao processo, 'Victor Motoca' acumulava 195 pontos na CNH, até o ano do atropelamento. Deste total, 59 estavam ativos na época.

No ano passado, o Poder Judiciário determinou que o empresário 'Victor Motoca' permaneceria proibido de dirigir. O Ministério Público do Ceará (MPCE) se posicionou contra o pedido da defesa pugnando pelo indeferimento e destacou que na data do crime o acusado havia ingerido bebida alcoólica.

"As circunstâncias em que o crime foi praticado e o fato de o réu ter demonstrado sua incapacidade de cumprir outras medidas cautelares que haviam sido fixadas por este Juízo recomendam que seja adotada, no mínimo, a cautelar de proibição de veículo automotor", disse o MP.