Atendente morta por ex-marido no Henrique Jorge é sepultada em Pacatuba

Crime aconteceu na manhã de sábado (30) enquanto a vítima trabalhava

Foto: Almir Gadelha

O enterro de Emanuelly Vasconcelos Araújo, morta pelo ex-marido no local de trabalho, aconteceu na manhã deste domingo (31), em um cemitério de Pacatuba. Familiares e amigos se despediram da atendente de 31 anos, assassinada no sábado (30) em um curso onde trabalhava no Bairro Henrique Jorge.

Segundo Ivonete Vasconcelos, mãe da vítima, o relacionamento da filha com Isac Ângelo dos Santos Filho, de 34 anos, já era conturbado há algum tempo. "Ela não contava nada pra mim porque tinha medo. Eu falava 'minha filha, saia desse homem', e ela dizia 'não, mãe, eu gosto dele, e ele não é capaz de fazer nada'", relembrou, com pesar. Ela contou que Isac puxou os cabelos e deixou o rosto da atendente roxo em uma das agressões.

> Colega de atendente morta por ex foi à polícia momentos antes do crime, mas PM não chegou a tempo

> Mecânico invade curso no Henrique Jorge e mata ex-mulher a tiros

Ivonete explicou que Emanuelly não queria terminar o relacionamento por causa do filho de 10 anos, que também era constantemente ameaçado. "Meu neto é muito assustado, não quer nem saber dele [do pai]".

Depois do fim da relação, o homem continuava seguindo os passos de Emanuelly. "Ele ficava sempre ligando, colocava gente pra vigiar ela. Ele nunca aceitou [o fim da relação]".

A irmã, Ilana Vasconcelos, afirmou que o plano inicial de Isac era matar o filho na frente de Emanuelly, matá-la e, em seguida, e cometer suicídio.

 

Feminicídio

Emanuelly foi assassinada pelo ex-companheiro, na manhã de sábado (30), enquanto trabalhava como atendente em um curso profissionalizante, no Bairro Henrique Jorge. Isac entrou armado no estabelecimento e trancou a porta. Em seguida, disparou pelo menos cinco vezes contra a vítima, que tentou fugir, mas acabou entrando em uma sala sem saída. A vítima foi atingida por quatro tiros e morreu no local. Os estudantes, que estavam em aula no momento do crime, quebraram a porta do prédio para fugir.

O suspeito foi preso e encaminhado para a Delegacia de Defesa da Mulher. O casal tinha um filho de 10 anos e estava separado há cerca de três meses, após um relacionamento de 17 anos. O homem estava em liberdade provisória, depois de ser preso em flagrante por posse de arma de fogo, em 2017.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança