Adolescente de 17 anos é alvo de operação da PF contra ataques cibernéticos em Fortaleza

De acordo com a Polícia Federal, um destes vazamentos foi o de dados do presidente Jair Bolsonaro

Houve diligências no Ceará e Rio Grande do Sul, com a participação de, pelo menos, 20 policiais federais
Legenda: Houve diligências no Ceará e Rio Grande do Sul, com a participação de, pelo menos, 20 policiais federais
Foto: Divulgação/PF

Um dos três mandados de busca e apreensão cumpridos pela Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (26), durante diligências da Operação 'Capture the flag' foi em Fortaleza, foi cumprido em Fortaleza. O alvo na capital cearense foi um adolescente de 17 anos. Os policiais apreenderam aparelhos eletrônicos na residência do jovem, no entanto, ele não foi detido.

Conforme a Polícia Federal, os outros dois mandados foram cumpridos em Porto Alegre e Nova Bassano. A operação investiga uma organização criminosa formada por hackers. Os criminosos estariam invadindo sistemas de instituições públicas brasileiras e vazamento informações confidenciais das autoridades.

Cerca de 200 mil servidores e autoridades teriam sido prejudicados pelo grupo. Há informação que um destes vazamentos foi o de dados do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Houve diligências no Ceará e Rio Grande do Sul, com a participação de, pelo menos, 20 policiais federais.

Investigação

De acordo com o superintendente Regional da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, José Antonio Dornelles de Oliveira, a investigação teve início há 30 dias, a partir de notícias veiculadas na imprensa sobre ataques cibernéticos. O delegado regional de Investigação e Combate Organizado, Alessandro Maciel Lopes, acrescentou que os materiais apreendidos nas casas dos suspeitos devem auxiliar o desenrolar da investigação.

"Na realidade, a operação visa investigar todos estes ataques. É inegável que dentre estes estamos investigando sim as questões envolvendo o vazamento de dados do presidente da República. A partir da fase ostensiva, com as buscas que foram um sucesso, porque conseguimos acessar os dados dos computadores, o trabalho de investigação e perícia poderão confirmar as suspeitas ou não. Agora depende da fase pericial para detectar efetivamente quais órgãos. É importante que se ressalte a questão da invasão de dados de vários servidores públicos, inclusive, no Rio de Janeiro tivemos invasão a dados pessoais de militares, de pessoas ligadas diretamente à questão da segurança", disse Alessandro Maciel.

Os policiais destacaram que há motivação política para os ataques, e os dados obtidos de forma ilegal também vinham sendo utilizados para que os criminosos realizassem compras fraudulentas na internet.