Acusada de matar mulher no bairro Edson Queiroz é condenada a 21 anos de prisão

Clarisse Paiva Firmino deverá cumprir a pena em regime fechado por homicídio duplamente qualificado

O Conselho de Sentença da 5ª Vara do Júri de Fortaleza condenou, na última terça-feira (5), a ré Clarisse Paiva Firmino a cumprir pena de 21 anos de prisão, em regime fechado, por homicídio duplamente qualificado. Ela assassinou, na noite do dia 21 de agosto de 2018, Luana Bruna Martins Ferreira, na rua Otávio Rocha, bairro Edson Queiroz, com dois disparos de arma de fogo, juntamente com uma adolescente.

Segundo o Ministério Público do Ceará (MPCE), o crime foi motivado por rivalidade entre facções criminosas distintas que a vítima e a acusada faziam parte. Momentos antes do crime, segundo o inquérito instaurado pela polícia, a vítima solicitou um carro por aplicativo com uma criança de colo. Pouco tempo depois ela foi assassinada. A polícia também investiga a suposta participação de uma terceira pessoa no crime.

O crime
 
Em depoimento na delegacia, a adolescente envolvida no caso contou que ela e a acusada, Clarisse Firmino, estavam escondidas no local do crime, por trás de veículos, esperando a vítima desembarcar do carro por aplicativo.

A vítima, chegando na rua Otávio Rocha, desceu do automóvel com o bebê, e pediu ao motorista que aguardasse, alegando que só iria pegar um celular e que retornaria com ele para o local de origem solicitado. Instantes depois, um suspeito não identificado, portando uma arma de fogo, bateu no vidro do carro e, com a arma apontada para o motorista, tomou o celular dele.

Em seguida, o motorista ouviu dois disparos de arma de fogo e tentou fugir, mas antes que conseguisse, foi surpreendido pela chegada de uma mulher desconhecida, que trazia nos braços a mesma criança que estava com a vítima minutos antes do crime. Segundo o motorista, a mulher jogou a criança para dentro do carro e ordenou que ele deixasse o bebê no local de onde foi solicitado a corrida.

Em seguida, o motorista saiu do local e, juntamente com a criança, dirigiu-se até à delegacia da Avenida Oliveira Paiva. Após prestar depoimento, ele foi informado de que a passageira que ele havia conduzido tinha sido assassinada no local em que desembarcou. O motorista entregou a criança ao delegado, onde ficou aos cuidados do Conselho Tutelar.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de segurança?