9,8 toneladas de produtos importados da China e EUA são apreendidas no Aeroporto de Fortaleza

Conjunto está avaliado em R$ 15,2 milhões; produtos seguirão para destruição

Quase dez toneladas de produtos com problemas de importação foram apreendidas pela Inspetoria da Receita Federal (IRF) do Aeroporto Internacional de Fortaleza. A maior parte do material, totalizando 9.172 kg, veio de Hong Kong, na China, e é falsificada. Outros 626 kg vieram dos Estados Unidos e foram registrados sob falsa declaração de conteúdo, além de declaração a menor das quantidades efetivamente importadas.

O conjunto está avaliado em R$ 15,252 milhões, sendo R$13,9 milhões em produtos piratas e R$1,3 milhão de produtos com declaração irregular. Segundo a IRF, a apreensão de falsificações foi recorde via modal aéreo da 3ª Região Fiscal, que também abrange os Estados do Maranhão e Piauí.

Os produtos vindos da China incluem displays, telas on-touch e películas de vidro de celulares, além de calçados esportivos, que “lotaram o espaço de verificação física do terminal de cargas”, conforme a Receita Federal. De Miami, nos EUA, vieram smartphones, computadores, lentes e câmeras fotográficas e aparelhos médicos oftalmológicos.

Sem devolução

As apreensões foram realizadas em maio, mas só foram divulgadas no início deste mês porque aguardavam tanto os laudos dos fabricantes e detentores da propriedade industrial das marcas como o resultado de ação judicial. A Justiça cearense emitiu duas sentenças que negam o direito do importador em reaver tais mercadorias. A Fazenda Nacional também teve emissão de ordem da Justiça Federal que impede a liberação das mercadorias.

Os calçados esportivos e produtos eletrônicos seguirão para destruição “em data a definir”. A Receita informa que o Ministério Público Federal (MPF) deve ser acionado para a abertura de processo penal contra os responsáveis por violação de direito à propriedade industrial e uso indevido de marca.

Segundo a IRF do Aeroporto, os produtos poderiam ser distribuídos a lojas e assistências técnicas de celular fora do Estado. A Inspetoria explica que o Aeroporto passou de 13 voos internacionais por semana, há dois anos, para quase 40, em 2019, “que vêm trazendo não só passageiros, como mais carga aérea”.
 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança