Produtores de cachaça têm curso de capacitação

Legenda:
Foto: F. Edilson Silva

Viçosa do Ceará (Sucursal/Sobral) — Estão sendo capacitados 30 produtores de cachaça do município, através de um curso de 200 horas/aula sobre gestão e plano de negócios, tecnologia da produção, comercialização e marketing. São responsáveis pela capacitação a Secretaria do Trabalho e Empreendedorismo e o Sebrae/CE. Também estão envolvidos neste projeto órgãos como o Instituto Centec e Associação dos Produtores de Cachaça de Alambique do Estado do Ceará (Apcac). O curso faz parte do projeto de organização do arranjo produtivo da cachaça de Viçosa do Ceará. As aulas estão sendo ministradas no Centro Vocacional Tecnológico (CVT), com termino previsto para o dia 28 de janeiro de 2005, com recursos provenientes do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

“Entre as ações do projeto consta também a Unidade Demonstrativa, que deverá ser implantada no próximo mês de dezembro, no Vale do Lambedouro, com o plantio de novas variedades de cana-de-açúcar”, destaca Jorge Maurício Mapurunga Nogueira, presidente da Apcac, enfatizando que a entidade, está pleiteando junto ao Banco do Nordeste recursos com juros diferenciados para maior plantio de cana-de-açúcar e modernização dos engenhos. Sobre a realização do curso, Jorge diz que as aulas acontecem em dias alternados, sem prejudicar os trabalhos de agricultura; e que os temas são voltados para a realidade local, com abordagens sobre empreendedorismo, elaboração de planos de negócios, análise de custos, mecanização do solo, uso e preparação do solo, envelhecimento, destilação e fermentação da cachaça, plano de marketing e pesquisa de mercado.

Importante ressaltar que os produtores estão se organizando para uma visita técnica e curso de capacitação em Belo Horizonte (MG), com apoio da Federação Nacional da Cachaça de Alambique (Fenac). “Com o apoio que estamos recebendo da prefeitura e do governo do Estado vamos melhorar a qualidade do nosso produto e aumentar a produção de cachaça”, destaca Jorge Mapurunga, acrescentando que a Apcac tem a idéia de criar, nos engenhos mais antigos, a Casa da Cachaça, um novo espaço para os turistas, para vendas e degustações. Outra luta é pela padronização da cachaça, para que todos os engenhos produzam com o mesmo teor alcoólico e a mesma coloração — branca e amarela.

TRADIÇÃO -- O engenho faz parte da cultura da região da Ibiapaba. Viçosa do Ceará conta com cerca de 70 engenhos na produção de cachaça e rapadura, com maior concentração no Vale do Lambedouro. A estimativa é de 120 mil litros/ano. A fabricação da cachaça serrana, que tem muitos apreciadores, passa por um processo bem artesanal: a cana é transportada em animais até o engenho, onde é cortada e despalhada para a moagem. O caldo segue para as dornas, a fermentação, com descanso de 12 a 18 horas. Depois vai para o alambique de cobre. A etapa seguinte é a destilação. A cachaça pronta vai para tonéis, onde fica, no mínimo, de um a dois anos.

Com as ações que estão sendo desenvolvidas, Jorge Mapurunga acredita que até o final de 2005 Viçosa do Ceará terá uma cachaça com padrão definido, uma marca conhecida e engarrafada para comercialização. Hoje, o município já conta com 10 produtores que estão utilizando o filtro de carvão ativado para retirar as impurezas de cobre da cachaça, para melhoramento do produto.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará