Palmácia diz que aplicação de CoronaVac em adolescentes foi "erro humano" e vai exonerar servidoras

O grupo de pessoas de 17 anos recebeu doses do imunizante do Butantan, contrariando recomendação do Ministério da Saúde; público só pode receber Pfizer

Frascos da CoronaVac
Legenda: Palmácia, no Interior do Ceará, vacinou 66 adolescentes contra a Covid-19 com doses da CoronaVac
Foto: Instituto Butantan/Divulgação/Arquivo

Após erro na imunização de 66 adolescentes, o município de Palmácia, no Interior do Ceará, informou ter instaurado, nesta sexta-feira (3), um processo administrativo para exonerar as duas funcionárias públicas responsáveis pela checagem dos frascos de vacina antes da aplicação. 

O grupo recebeu doses da CoronaVac. No Brasil, apenas o imunizante da Pfizer tem autorização para uso em pessoas de 12 a 17 anos. 

Segundo a secretária da Saúde de Palmácia, Nara Melo, os jovens, todos de 17 anos, são monitorados. A segunda dose a ser aplicada será a Pfizer, em intervalo de 28 dias. Inicialmente, a pasta havia anunciado que ocorreria em 12 semanas. 

Indagada sobre o número de adolescentes cadastrados para imunização na Cidade, ela não soube responder. A gestora garantiu que as vacinas aplicadas equivocadamente não geraram desequilíbrio no estoque dos demais públicos. 

“Não tem nada faltando. As doses de CoronaVac estão aqui esperando para serem utilizadas em pessoas acima de 18 anos”, afirmou.   

No Ceará, a vacinação de adolescentes começou no último dia 25 de agosto, na Capital. Somente em Fortaleza, mais de 100 mil jovens foram imunizados até esta quinta-feira (2). 

Como o erro ocorreu

Segundo Nara, a troca de vacinas aconteceu devido a um “erro humano”. No momento em que foi retirar as vacinas, explicou, a coordenadora da imunização separou apenas a CoronaVac. 

“Quando foi entregar, as meninas (profissionais de saúde) aplicaram, acharam que era uma só”, afirmou. 

Questionada se não há um protocolo de checagem antes da aplicação, ela afirmou que sim, mas que é de responsabilidade das duas coordenadoras, que serão exoneradas. 

CoronaVac não teve uso autorizado para adolescentes

No Brasil, no último dia 18 de agosto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisanegou o uso emergencial da CoronaVac em menores de 18 anos.

Diretores da agência observaram não haver dados suficientes sobre a eficácia da aplicação da vacina em crianças e adolescentes. Não se sabe, por exemplo, a duração do potencial de proteção, nem como a vacina se comporta em crianças com comorbidades e imunossuprimidas. 

Combinação de vacinas

O Ministério da Saúde não recomenda "de maneira geral" a combinação de vacinas distintas contra a Covid-19. Isso porque os laboratórios utilizam itens diferentes na composição. A orientação consta na nota técnica nº 6/2021. No entanto, acrescenta o documento, a medida poderá ser aplicada em casos excepcionais

“Seja por contraindicações específicas ou por ausência daquele imunizante no País (exemplo, indivíduos que receberam a primeira dose de uma vacina Covid-19 em outro país e que estarão no Brasil no momento de receber a segunda dose), poderá ser administrada uma vacina Covid-19 de outro fabricante”, esclarece o órgão. 

Nestes casos, a segunda aplicação deve ocorrer no período previamente definido, respeitando o intervalo adotado para o imunizante utilizado na primeira dose.

O que disse a Sesa

Procurada nesta quinta-feira (3), a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) informou que a aplicação da vacina é de responsabilidade de cada município.

"A Sesa informou às secretarias municipais de saúde que para o público entre 12 até 17 anos deve ser usado o imunizante da Pfizer. Segundo o Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, em casos como esse, a segunda dose aplicada deve ser da Pfizer", disse, em nota. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará