Novo dessalinizador promete economia de energia e mais eficiência

O aparelho foi apresentado na zona rural de Ibaretama, no Sertão Central. O uso de placas fotovoltaicas (energia solar), além de diminuir os custos de operacionalização, é mais sustentável

Legenda: O novo modelo de dessalinizador desperdiça menos água e gasta menor quantidade de energia do que os aparelhos convencionais, pois utiliza placas fotovoltaicas
Foto: Foto: Alex Pimentel

Um novo modelo de dessalinizador, equipamento utilizado para extrair os sais da água, tornando-a potável ao consumo humano, promete solucionar um problema muito comum no Interior com mais eficiência e economia.

A estação especial foi apresentada pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec) e pelo Sindicato Rural local na Fazenda Triunfo, uma propriedade rural localizada em Ibaretama, Município do Sertão Central.

O engenheiro Lindomar Roberto Damasceno, responsável pelo protótipo de estação móvel, associada a um sistema de captação de energia solar, aponta como pontos positivos do conjunto a redução do desperdício de água durante o processo de tratamento e filtração, dos convencionais 30% para apenas 9% do volume captado.

Outra vantagem está no baixo consumo de energia elétrica, captada através de placas fotovoltaicas. Foram nove anos de pesquisas até chegar ao processamento ideal, destaca o especialista.

Ao conhecer o projeto, o presidente da Faec, Flávio Saboya, logo se interessou, reconhecendo a viabilidade técnica e econômica, principais gargalos para os produtores rurais. O investimento, da ordem de R$ 20 mil no dessalinizador móvel é praticamente o mesmo valor no sistema de captação de energia solar. "Além disso, é ideal também para suprir as necessidades de comunidades rurais. Os bancos oficiais, como o BNB, têm linhas de crédito especiais para financiamento", disse.

Os produtores rurais, como José Alexandre Ferreira, de uma comunidade vizinha, também responsável pela coordenação do projeto Água Doce em Ibaretama, ficou satisfeito. Acompanhado do presidente da Faec e do presidente do Sindicato Rural, Carlos Bezerra, até saboreou a água captada de um poço profundo perfurado na fazenda. O solo possui sais em excesso, afetando o açude da propriedade. A água é utilizada apenas para o banho e afazeres domésticos.

Quem também saboreou a água tratada na estação experimental e aprovou a proposta foi o prefeito do Ibaretama, Edson Morais. Após conhecer o modelo, manifestou interesse em se reunir com sua equipe e analisar a possibilidade de o equipamento ser adquirido para instalação em escolas do Município onde há dificuldade de fornecimento de água para os alunos.

"Apesar de parecer um investimento elevado, a saúde do nosso povo não tem preço e, para se ter uma vida saudável, uma boa água é fundamental", destacou. De acordo com a Faec, o equipamento de dessalinização foi desenvolvido pela empresa Policlaynanotec, criada a partir das pesquisas de Lindomar Damasceno, que é professor de Química da Universidade Federal do Ceará (UFC). A professora Amanda Conrado, do Instituto Federal de Educação (IFCE), é a coordenadora técnica do Projeto. O Banco do Nordeste financiou a máquina por meio do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste.

Crédito

O gerente do BNB na região, com sede em Quixadá, Helderson Albuquerque, confirmou haver disponibilidade de crédito para os interessados, tanto para o dessalinizador como para o sistema de placas fotovoltaicas. O valor a ser disponibilizado varia de 70 a 90% do custo total do projeto. Os juros são de 5,7% ao ano.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará

Assuntos Relacionados