Cearense de Rally em alto nível

A competição está mais que confirmada para o dia 16 e promete exigir muito da navegação nesta terceira etapa

Image-2-Artigo-2406502-1
Até a semana do evento, as inscrições seguem abertas Foto: João Dijorge

A terceira etapa do Cearense de Rally se aproxima. E se o combustível não faltar, os competidores irão enfrentar 150 km cortando os municípios de Cascavel e Beberibe. Essa trilha foi planejada já para a segunda etapa, porém dois rios transbordaram e fizeram os planos do diretor de prova, Rogério Almeida, mudar de última hora.

"Eu acho que será uma prova que vai marcar a temporada. Será bastante exigente na navegação para as categorias graduadas. Para os estreantes, será um roteiro mais simples, mas nem por isso menos exigente, com algumas alterações", destaca.

Estarão na disputa profissionais e amadores em carros, quadriciclos, UTVs e motos. Lembrando que as duas rodas são a grande novidade da edição deste ano, conseguindo uma média de 12 inscritos.

Uma curiosidade é o aumento no volume de participantes em UTVs, grande parte migrados dos quadriciclos. São cerca de 15 graduados e 10 estreantes nesse segmento. E mesmo o quadriciclo perdendo em números, a competição é muito acirrada com a constante presença de quatro fortes membros, de alto nível.

Criação

Diante de tantas categorias, o roteiro é dividido basicamente em dois tipos, elaborados para os extremos: graduados e estreantes, os quais são oferecidos a todos os veículos, com exceção das motocicletas, as quais só tem a de base.

"Eles só têm médias diferentes. No caso das motos e dos quadriciclos há um ajuste na planilha, limpando as referências que não são necessárias, que para os carros são críticas e, para eles, menos", explica.

Para quem inicia, o Rogério dá uma aliviada, com velocidades mais baixas e menos voltas no caminho, além de evitar matas fechadas e também indicações capciosas.

"É um roteiro que a gente procura sempre fazer simplificado. Quando estão achando simples, é hora de mudar de categoria e, não, a forma com que é feita a estreante", pontua. Não é para levar o veículo ao limite, é mais uma injeção de adrenalina, uma fuga da rotina. E ainda tem a possibilidade de levar toda a família nessa aventura.

"Ela é porta de um dos grandes sonhos dos brasileiros. Eu digo que o brasileiro tem dois: ser jogador de futebol e o outro é participar de alguma modalidade automotiva. O rally é essa porta. Você, com seu carro do dia a dia, consegue participar da prova e usar novamente na segunda-feira. É muito mais um desafio, onde se junta passear de carro e uma brincadeira lúdica de gerir tempo e achar caminhos", completa.

Fora isso, essa modalidade permite novas amizades. "Outro dia estava com um novato das motos e ele disse: 'eu já estive em várias modalidades do automobilismo e nunca vi o que presenciei no rally. Um concorrente me ensinar a usar ou ceder um equipamento'. Mas, é isso que acontece. Embora tenha competição, é uma grande família", pontua.

Programação

As próximas etapas estão confirmadas para seguir até o fim do ano. A seguinte será dia 14 de junho, a quinta será 1º de setembro e a última está marcada para 1º de dezembro.

Mais informações:

3º Etapa Rally Cearense

Data: 16 de junho

Largada: local a ser definido

Informações: (85)98881.4106 / 99174.3594

Dicas

O caminho da competição é mostrado graficamente por tulipas, que são indicações desenhadas em uma planilha. Para o navegador "cantar" as orientações é importante seguir quatro passos:

1 - Fale o hodômetro. Na tabela estará a distância percorrida e o número será a referência para fazer o próximo movimento. Lembrando que os números estão em metros. Ou seja, 0,71 no papel significa 710 m

2 - Qualifique a tulipa, dizendo o que será avistado no caminho: uma bifurcação, por exemplo

3 - Fale a direção: esquerda ou direita. Aliás, mais do que dizer em voz alta. A orientação é também mostrar a posição com as mãos. Em plena correria, não é raro o navegador falar direita quando quer dizer esquerda. Então, sempre aponte. Se você é piloto, sempre considere para onde as mãos estão indicando

4 - Acrescente informações se houver necessidade, como situações de pista alertadas na planilha, como erosões. Mudanças de velocidades também podem ser avisadas, caso o motorista não tenha o seu próprio cronômetro, assim como próximos pontos neutros e de deslocamento e se estão atrasados ou adiantados