Senador Alessandro Vieira discute com colega na CPI da Covid: 'Pare de passar vergonha'

Para Vieira (Cidadania-SE), Marcos Rogério (DEM-RO) tentou deslegitimar depoimento de advogada de ex-médicos da Prevent Senior

Senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) em mais uma sessão da CPI Covid
Legenda: "A testemunha indireta é amplamente reconhecida no Direito", defendeu Alessandro Vieira
Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) se irritou e discutiu com o governista Marcos Rogério (DEM-RO) na CPI da Covid-19, após este voltar a questionar a legitimidade do depoimento da advogada Bruna Morato, dado nesta terça-feira (28).

Representando 12 ex-médicos do plano de saúde Prevent Senior, Morato declarou à Comissão Parlamentar de Inquérito que os profissionais da empresa eram obrigados a entregar aos pacientes um “kit-Covid” com “receita pronta” para tratar a doença.

Para o senador Marcos Rogério, que é alinhado ao Governo Federal, o depoimento da advogada seria um desvio de finalidade da CPI, que aponta para “uma disputa trabalhista”, sendo ela, portanto, uma “testemunha por procuração”. "Quem deveria estar aqui prestando depoimento são os médicos", opinou. 

Testemunha indireta

Alessandro Vieira interrompeu Rogério, afirmando que a representante legal dos médicos foi depor na condição de testemunha indireta.

“O seu vexame aqui ultrapassa qualquer limite. Pare de passar vergonha: é evidente a figura da testemunha indireta, senador”, disse.

"A testemunha indireta é amplamente reconhecida no Direito. É aquela testemunha que toma conhecimento de um fato por terceiros, é aceita no processo naturalmente. Então todo esse teatro para tentar desvalorizar a mensageira só comove convertidos", acrescentou.

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), corroborou com Vieira e disse que os relatos dos médicos são contundentes, estando a advogada na condição de testemunha dos crimes cometidos pela Prevent Senior.