CPI da Covid deve usar oitivas de Hang e de Fakhoury em relatório final

Renan Calheiros e Omar Aziz acreditam que os empresários estão ligados à disseminação de notícias falsas sobre a pandemia

Empresários Luciano Hang e de Otávio Fakhoury durante depoimento na CPI da Covid
Legenda: Os empresários são apoiadores do presidente Jair Bolsonaro
Foto: Agência Senado

O conteúdo das oitivas dos empresários Luciano Hang e de Otávio Fakhoury na CPI da Covid deve integrar o relatório final da comissão, que usará os depoimentos para fazer uma ligação entre os dois apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a disseminação de notícias falsas, principalmente ligadas à pandemia. As informações são do jornal O Globo

Nas avaliações do relator, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), e do presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), Hang confessou, na quarta-feira (29), que propagava o uso de medicamentos sem comprovação científica para tratamento da doença, chamado "kit Covid". Já Fakhoury é ouvido no plenário do Senado nesta quinta-feira (30). 

Conforme a publicação, o objetivo dos parlamentares é pressionar o Ministério Público a investigar e pedir medidas contra os empresários. 

Quando foi instaurada, no fim de abril, a CPI tinha como meta avançar sobre o núcleo de divulgação de notícias falsas ligado ao presidente. No percurso houve a formação de um grupo de trabalho com assessores parlamentares sobre fake news, mas a iniciativa não prosperou. 

A Polícia Federal também proibiu o delegado da CPMI das Fakes News atuasse em conjunto com a CPI da Covid, com isso o núcleo de apuração sobre o assunto ficou enfraquecido. 

Para tentar retomar o objetivo, Calheiros focou na convocação de empresários suspeitos de disseminar notícias falsas.