Renda mínima deve pautar debates na Assembleia Legislativa do Ceará, diz novo presidente

Ele reconhece que há uma preocupação por parte dos parlamentares com o fim do auxílio emergencial

fotografia
Legenda: Ele reconhece que o tema deve pautar os debates, mas também aponta medidas assistenciais já aprovadas pela Casa e sancionadas pelo governador Camilo Santana (PT)
Foto: Helene Santos

O novo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Evandro Leitão (PDT), afirmou, nesta segunda-feira (1º), que a transferência de uma renda mínima para a população do Ceará durante a segunda onda da pandemia da Covid-19 deve pautar as discussões na Casa.

Para ele, a crise econômica continua afetando muitas famílias, que devem ficar desassistidas com o fim do auxílio emergencial. Ele lembrou ainda o impacto da crise para setores da economia.

"É importante fazer a discussão da renda mínima, vamos abrir essa discussão aqui (no Parlamento). Existe um segmento que eu acho que está sendo extremamente penalizado, que é o setor de eventos, porque não estão podendo fazer eventos há mais ou menos um ano, além de tanto outros que estão sendo impactados", destacou. 

Ele reconhece que o tema deve pautar novos debates, mas também aponta medidas já aprovadas pela Casa e sancionadas pelo governador Camilo Santana (PT) para diminuir o aperto financeiro de famílias em situação de vulnerabilidade social.  

Leia também

"Algumas mensagens importantes do governador Camilo foram aprovadas, como o vale alimentação dos alunos da rede pública. Sem estarem nas aulas presenciais, receberam um vale alimentação de R$ 80. Tivemos o auxílio catador, que também foi aprovado pela expressiva maioria da Casa, dando um recurso mensal para um importante segmentos de pessoas que mais são impactadas pelo momento que estamos passando", ressaltou. 

Posse

Evandro Leitão foi empossado nesta segunda-feira (1º) como presidente da Assembleia Legislativa. Na ocasião, ele reforçou que irá manter o concurso para servidores da Casa, interrompido no ano passado por conta da pandemia.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política