Região Centro-Sul do Ceará define chapas no fim do prazo; veja quem são os candidatos

Veja como está a disputa nos cinco maiores colégios eleitorais da região

Legenda: Iguatu é o maior colégio eleitoral da região Centro-Sul do Estado
Foto: Arquivo DN

Três candidatos aliados ao Governo do Estado disputam a Prefeitura de Iguatu nas eleições municipais deste ano. O prefeito Ednaldo Lavor (PSB) busca a reeleição, e os deputados estaduais Agenor Neto (MDB), ex-prefeito por dois mandatos, e Marcos Sobreira (PDT), que foi eleito vice-prefeito em 2016, estão na corrida da sucessão municipal. Assim como na cidade polo da região Centro-Sul cearense, que tem 64.362 eleitores, o cenário eleitoral foi de decisões às vésperas do fim do período de convenções partidárias em outros municípios próximos.

Diante desse cenário em Iguatu, o governador  Camilo Santana (PT) deve se manter equidistante da disputa local, a exemplo de outros municípios. As convenções para homologar as candidaturas de Ednaldo Lavor e de Marcos Sobreira foram realizadas no fim da tarde desta quarta-feira (16). Os dois estiveram juntos até o pleito de 2018, mas dois meses após a eleição de Marcos Sobreira como deputado estadual ocorreu o rompimento das duas alas.

Na terça-feira (15), Ednaldo Lavor uniu-se com o empresário Franklin Bezerra (Podemos), que vai compor a chapa como candidato a vice-prefeito. A coligação inclui outros partidos, como PSDB e PSD.

Marcos Sobreira terá como candidato a vice-prefeito, o professor Willame Felipe (PT). PDT e PT marcham unidos em Iguatu, sob a liderança do ex-prefeito e ex-deputado estadual, Marcelo Sobreira, e da ex-deputada estadual, Miriam Sobreira, pais de Marcos Sobreira.

O deputado estadual e ex-prefeito Agenor Neto (MDB) tenta voltar ao cargo majoritário municipal e terá como candidato a vice-prefeito o empresário João Alencar, ou seja, repetindo a mesma chapa dos pleitos vitoriosos de 2008 e 2012.

Na disputa eleitoral, Iguatu ainda tem como candidatos a prefeito, o empresário, Augusto Correia Lima (PMN), e o ex-vereador Jarim (PMB).

Icó

A cidade histórica de Icó é a segunda com maior número de eleitores na região. A prefeita Laís Nunes (PDT), juntamente com o atual vice-prefeito, Quilon Peixoto (PDT), buscam a reeleição. A oposição está dividida entre dois candidatos: o ex-prefeito, Jaime Júnior (PSD) e o empresário Marcelo Torres (Solidariedade), que é uma novidade na política local.

Laís Nunes é ex-deputada estadual e esposa do ex-prefeito e também ex-deputado estadual, Neto Nunes.
Na eleição passada, Jaime Júnior disputou a eleição, mas foi derrotado por Laís. Os dois candidatos voltam a se enfrentar e no plano estadual apoiam o governador Camilo Santana.

Acopiara

No terceiro colégio eleitoral do Centro-Sul cearense, Acopiara, a disputa está polarizada e repete as candidaturas de 2016. O prefeito Antônio Almeida (MDB) busca a reeleição e o médico Vilmar Félix (PDT) tenta pela terceira vez o cargo majoritário municipal. O gestor atual representa uma ala histórica e tradicional do líder político, Chico Sobrinho.

Cedro

Na cidade de Cedro, o prefeito e presidente da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), Nilson Diniz (PDT), apresentou como candidato à sua sucessão, o atual vice-prefeito, o empresário Joãozinho de Titico (PDT). A chapa tem como candidata a vice-prefeita a vereadora Ana Nilma (PDT).

Sobrinho do ex-líder político João Viana de Araújo e ex-prefeito, o médico Rodrigo Araújo (PP) entra novamente na disputa como candidato de oposição. Há ainda outros dois candidatos, o ex-vereador Heberton Sales (Bel de Assilvan), do DEM, e o policial civil Nipônico Bezerra (Avante).

Jucás

A cidade de Jucás tem uma novidade neste pleito – três candidaturas à sucessão do prefeito Raimundo Luna (PDT) de uma mesma localidade rural: o distrito de São Pedro.

O empresário Édson Riva Cunha (PDT) é candidato com o apoio do atual gestor. A oposição tem o nome do médico Roberto Mendonça (PSB) e uma terceira via foi formada com o vereador Sales Ribeiro (PRB), policial civil. Outra liderança política local, o ex-prefeito Helânio Facundo preferiu permanecer ausente do pleito.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política