Prefeito de Granjeiro deve retornar ao cargo após afastamento pela Câmara, determina Justiça

A maioria dos vereadores do município decidiu pelo afastamento de Ticiano Tomé em votação nesta segunda-feira (17). Ele é investigado pela morte do antecessor, João Gregório Neto

Legenda: Justiça determinou que Ticiano Tomé retornasse "imediatamente" às funções de prefeito de Granjeiro, um dia após ser afastado do cargo pela Câmara Municipal
Foto: Divulgação

Por determinação judicial expedida nesta terça-feira (18), o prefeito de Granjeiro, Ticiano Tomé (PSDB), deve retornar ao cargo "imediatamente". Nesta segunda-feira (17), a Câmara Municipal definiu, em votação, pelo afastamento do gestor por 90 dias. Tomé assumiu a função logo depois da morte do antecessor, João Gregório Neto

Como resultado da votação na Câmara, seis vereadores decidiram pelo afastamento, enquanto três foram contra. O pai de Ticiano Tomé e ex-prefeito de Granjeiro, Vicente Félix de Souza, é suspeito de envolvimento no assassinato de João Gregório. Atualmente, ele usa tornozeleira eletrônica. Conforme a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), "está cada vez mais forte" a suspeita de que se trata de um crime político. 

Conforme a decisão judicial, proferida pelo juiz Marcelo Wolney Alencar Pereira de Matos, o afastamento de Ticiano Tomé "feriu dispositivos legais e princípios da administração pública" e é "nulo de pleno direito".

Logo após o afastamento do prefeito, quem assumiu a posição foi o presidente da Câmara de Vereadores, Luiz Márcio Pereira (PMN).