Polícia Federal envia equipes para garantir a segurança de Cid Gomes em Sobral

Ministério da Justiça e Segurança Pública informa que a Polícia Rodoviária Federal também mandará reforço

Legenda: Ministro Sérgio Moro divulgou nota dizendo que a Pasta está acompanhando a situação em Sobral
Foto: Foto: Agência Brasil

Após a notícia de que o senador licenciado Cid Gomes (PDT) foi baleado em Sobral, o Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado por Sérgio Moro, informou que a segurança do parlamentar será reforçada por forças federais.

"Já foram enviadas equipes da Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal para Sobral para garantir a segurança do senador Cid Gomes",  comunicou a Pasta, em nota divulgada à imprensa.

Não foram dados detalhes sobre o número de homens mobilizados e como será o trabalho desses agentes.

"O Ministério da Justiça e Segurança Pública está acompanhando a situação no Ceará e analisando as providências que podem ser tomadas", informou a nota.

O ex-governador do Ceará foi atingido por tiros, no fim da tarde desta quarta-feira (19), em Sobral. Ele estava em uma retroescavadeira tentando entrar em um quartel militar ocupado por homens mascarados. 

A assessoria de imprensa do parlamentar divulgou uma nota com o seguinte teor: "O senador Cid Gomes foi baleado por uma arma de fogo na tarde desta quarta-feira (19), em Sobral. Neste momento, o senador passa por estabilização no Hospital do Coração de Sobral e será transferido para a Santa Casa de Misericórdia de Sobral".

Já o ex-presidenciável Cid Gomes usou sua conta no Facebook para informar que o irmão não sofre risco de morte.

"Meu irmão Cid Gomes foi vítima de dois tiros de arma de fogo por parte de policiais militares amotinados e mascarados em Sobral, nossa cidade. Até aqui as informações médicas são de que as balas não atingiram órgãos vitais apesar de terem mirado seu peito esquerdo. Novos exames estão sendo feitos mas a palavra aos familiares e amigos é de que Cid não corre risco de morte. Espero serenamente, embora cheio de revolta, que as autoridades responsáveis apresentem prontamente os marginais que tentaram este homicídio bárbaro às penas da lei", postou o ex-ministro e ex-governador.