Paulo César Norões: Todos podem ganhar na elite

Governador Camilo Santana e o prefeito Roberto Cláudio postaram nas redes sociais seu contentamento com a permanência do Ceará Sporting Club na Série A do Campeonato Brasileiro. Já haviam feito o mesmo quando o Fortaleza Esporte Clube garantiu o acesso para a mesma série A e o título de campeão da Série B. A satisfação dos governantes vai além da eventual simpatia que possam nutrir por um ou outro clube. Para além da paixão popular, ter os dois principais times cearenses na elite do futebol brasileiro abre perspectivas de bons negócios para a economia do Estado.

O futebol tem mídia espontânea em todo o mundo. No Brasil, tem enorme relevância, ocupa generosos espaços nas principais emissoras de rádio e TV e nos grandes jornais. Na internet, então, nem se fala. Uma ótima oportunidade, portanto, para ‘vender’ uma boa imagem da nossa terra, justo no momento em que o Ceará está se abrindo ainda mais para o Brasil e o mundo, com os investimentos na turismo, a chegada de uma nova gestão do aeroporto e a multiplicação de voos nacionais e internacionais.

Cabe à iniciativa privada tirar proveito da oportunidade. Serão 36 jogos aqui - além dos dois clássicos locais - com a presença dos mais populares times do Brasil, alguns deles capazes de arrastar caravanas de torcedores, com impacto direto para a rede hoteleira, restaurantes, etc. Aos clubes, cabe formarem bons times, capazes de manter os estádios cheios e, em consequência, permanecerem na elite. O poder público também tem suas obrigações. 

Caos nosso de cada dia
Governo e Prefeitura de Fortaleza já ajudam Ceará e Fortaleza com patrocínios. Mas, têm condições e até o dever de fazerem mais. Um bom exemplo: chegar ao Castelão em dias de grandes jogos é um exercício de paciência. Não há transporte público e fica impossível 60 mil pessoas se deslocarem para um mesmo lugar de automóvel sem viverem um caos. É o que acontece sempre, infelizmente. E não atinge só os torcedores, mas também quem está voltando pra casa depois do trabalho. 

Torcedor é cidadão
Tivemos uma Copa do Mundo em Fortaleza. Na época, o Poder Público se organizou e montou uma operação para que os torcedores pudessem ir ao Castelão sem usar carro próprio. Claro que não dá para repetir literalmente o ‘Padrão Copa do Mundo’, mas dá para tentar fazer algo melhor do que o que temos. A mobilidade urbana tem sido um ponto forte da gestão Roberto Cláudio, com iniciativas inovadoras. Que tal usar essa expertise em benefício do torcedor, também um cidadão?

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política