Na Capital, partidos disputam aliados nos bastidores

Restando poucos dias para as convenções partidárias, cenário ainda tem indefinições consideráveis que afetam até mesmo as candidaturas já homologadas. Negociações devem seguir até o limite do prazo, que se esgota em três dias

O prazo para a realização das convenções partidárias que confirmam as pré-candidaturas chega ao fim na próxima quarta-feira, dia 16 de setembro. Por enquanto, no entanto, apenas quatro nomes foram homologados para a disputa pela Prefeitura de Fortaleza.

Restando poucos dias para a tomada de decisões, os partidos estão em situações diferentes na Capital. Enquanto alguns têm a chapa consolidada, outros ainda buscam o nome para ocupar a pré-candidatura de vice-prefeito. Algumas siglas finalizam ainda discussões, internas e com possíveis aliados, para definir quem irão apoiar ou se irão lançar candidatura própria.

Quatro partidos confirmaram a chapa para disputa pelo Paço Municipal. O Pros lançou o deputado federal Capitão Wagner; no PDT, o escolhido foi o presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, José Sarto; a UP confirmou Paula Colares; e, pelo Patriota, irá concorrer Samuel Braga.

As convenções restantes devem ocorrer nos próximos dias - com possibilidade do lançamento de até oito pré-candidaturas à Prefeitura.

Indefinição

O PSDB continua dialogando e está bem próximo de acertar com o PDT. O então pré-candidato Carlos Matos não deverá ser mais a aposta da legenda que optou por apoiar um nome já posto. A definição deve ocorrer nesta segunda-feira (14). Os tucanos já anunciaram acordo com o DEM, de Chiquinho Feitosa.

Unidos, os dois partidos têm sido disputado pelas candidaturas na Capital. Com grandes bancadas no Congresso Nacional, as legendas agregam não só tempo de propaganda na TV e no rádio, como recursos do Fundo Especial de Campanha.

O Pros tem tentado atrair a legenda para a coligação em torno de Wagner, que já conta com oito partidos, mas a chapa governista também tem interesse em firmar aliança com tucanos e demistas. Por enquanto, a coligação de Sarto conta com seis partidos.

O apoio do senador Tasso Jereissati (PSDB) à candidatura de Ivo Gomes (PDT) em Sobral, na última sexta-feira (11), é visto como primeiro passo para uma aliança também em Fortaleza. O DEM também possui aproximação com o PDT na Capital, tendo Moroni Torgan como vice-prefeito na atual gestão.

Resistência

Com o nome da deputada federal Luizianne Lins consolidado, o PT discute agora quem será o vice. Contudo, enquanto algumas alas do partido ainda buscam aliança com siglas de esquerda, outras lideranças tentam conversar com o MDB, que ainda está com a posição indefinida.

Lideranças emedebistas estão em reunião durante esse fim de semana para definir os rumos do partido. O objetivo é anunciar a decisão ainda neste domingo (13). Nos bastidores, alguns partidos ainda são cotados para formar aliança, como o PSL e o PT - com quem a conversa está mais adiantada.

O MDB teria até mesmo um nome para indicar para a vice da chapa: a ex-secretária-executiva de Esportes do Estado, Jade Romero. A aliança, contudo, enfrenta resistência interna nos dois partidos. Alas do MDB ainda tentam apoio para candidatura própria.

Definição

A busca por um vice também ocorre em outros partidos. Tanto o PV como o PSL estão em busca de uma mulher para compor a chapa, que deve ser fechada com quadros do próprio partido. Contudo, no PSL, o nome do fundador do grupo Direita Ceará, Albino Freitas também aparece como possibilidade.

O deputado estadual Heitor Férrer, pré-candidato pelo Solidariedade ao Executivo municipal, também não confirmou quem será o vice.

Outros partidos estão com as chapas consolidadas. Pelo Psol, o deputado estadual Renato Roseno deve ser confirmado como pré-candidato a Prefeitura. No PCdoB, o nome escolhido foi de Anízio Melo.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de política?