Meio Ambiente confirma exoneração do presidente do Instituto Chico Mendes

Adalberto Eberhard pediu exoneração nesta segunda-feira (15), apenas três meses após assumir o cargo

Legenda: O ministro Ricardo Salles agradeceu ao "grande trabalho que o Adalberto fez à frente do ICMBio num momento muito difícil e de reestruturação" e admitiu que ainda não tem um nome substituto
Foto: Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados

O Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (16), confirma a exoneração, a pedido, do médico veterinário Adalberto Sigismundo Eberhard da presidência do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão da estrutura do Ministério do Meio Ambiente. 

Adalberto Eberhard pediu exoneração nesta segunda-feira (15), apenas três meses após assumir o cargo, acentuando o clima tenso e conflagrado na pasta. Conforme o jornal O Estado de S. Paulo informa nesta terça, Eberhard vinha sendo cobrado pelos servidores do órgão a dar uma resposta às declarações feitas pelo ministro Ricardo Salles durante uma cerimônia pública no fim de semana.

Eberhard enviou carta a Salles alegando "motivos pessoais" para seu pedido de demissão do ICMBio - órgão responsável pela gestão de 335 unidades de conservação federais no País. A decisão, no entanto, foi tomada depois que o ministro, numa reunião conturbada com produtores rurais do Rio Grande do Sul, no sábado (13) se irritou com a ausência de servidores do instituto e ameaçou uma punição por "desrespeito à figura do ministro, do presidente do ICMBio e do povo gaúcho".

À reportagem, Salles afirmou que agradecia o "grande trabalho que o Adalberto fez à frente do ICMBio num momento muito difícil e de reestruturação" e admitiu que ainda não tem um nome substituto.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política