Intervenção em Roraima precisa de aval do Congresso Nacional

Publicado nesta segunda-feira (10) no Diário Oficial, o decreto tem validade imediata, mas de acordo com a Constituição precisa da aprovação da Câmara e do Senado

O decreto que determina a intervenção federal em Roraima até o dia 31 de dezembro, publicado nesta segunda-feira (10) no Diário Oficial da União, tem validade imediata. Porém, de acordo com a Constituição o decreto precisa da aprovação do Congresso Nacional

Pelo texto, o governador eleito em outubro, Antonio Denarium (PSL) será nomeado como interventor. Ele vai substituir a governadora Suely Campos (PP) no comando do estado, que passa por uma crise na segurança pública, com paralisação de servidores da área em protesto pelo atraso de salários, e tensão em presídios locais, dominados por facções criminosas.

O texto será analisado agora, separadamente, na Câmara dos Deputados e no Senado. As duas Casas devem votar em regime de urgência um Projeto de Decreto Legislativo (PDC) autorizando a intervenção federal.

Tramitação

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM -RJ), deve determinar nesta segunda-feira como será o regime de tramitação do decreto. Ele pode mandar o texto para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), conforme prevê o regimento interno da Casa, ou levar direto para o Plenário, onde designará um deputado para relatoria. Uma vez chegado ao Plenário, o PDC que trata do decreto de intervenção tem prioridade sobre todas as demais matérias da pauta.

O Plenário tem sessões marcadas para esta semana, começando hoje às 13 horas.

Prerrogativas

Segundo o decreto, o interventor ficará subordinado ao presidente da República e terá as mesmas prorrogativas de um governador à frente do Executivo estadual. Antonio Denarium poderá requisitar a qualquer órgão público, civil ou militar, os meios necessários para fazer cumprir a intervenção federal, ressalvado o emprego das Forças Armadas, que depende de autorização presidencial.

O decreto ainda isenta o interventor de sanções pelo não pagamento ou repasse de recursos de responsabilidade do governo de Roraima, que passa por uma grave crise financeira.

Com informações de Ana Carolina Curvello.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de política?