Governadores do Nordeste levarão região a investidores europeus

A missão ocorre após o primeiro grande acordo de cooperação econômica entre o grupo, o Consórcio do Nordeste

Legenda: Gestores devem viajar para a Europa em novembro
Foto: Foto: Divulgação

Representantes dos nove estados nordestinos devem realizar no mês de novembro uma viagem à Europa para apresentar a região a investidores estrangeiros. A agenda foi oficializada em um encontro dos governadores na tarde desta quarta-feira (21) em Teresina, no Piauí. 

"Ratificam a agenda à Europa já anunciada para o próximo mês de novembro, quando buscarão, junto a potenciais investidores e agências de cooperação, dar relevância às áreas de maior competitividade da região, valorizando os projetos integradores entre todos os Estados", diz a primeira deliberação da carta assinada em conjunto. 

Os gestores devem se reunir com potenciais investidores dos países da Alemanha, França, Itália e Espanha. “Somos uma região que reúne 55 milhões de brasileiros, com um grande poder de consumo. Ao nos apresentarmos juntos, potencializaremos e chamaremos mais a atenção de fundos de investimentos e empresários que desejam investir no Nordeste”, explicou o governador da Bahia, Rui Costa (PT). 

A missão ocorre após o primeiro grande acordo de cooperação econômica entre o grupo, o Consórcio Nordeste. Compras devem ser feitas em conjunto como forma de baratear os custos de cada entidade da Federação. O grupo, que também tem um alinhamento político-ideológico, já se reuniu para apoiar diversas deliberações contrárias ao Governo Federal. 

“Acredito que a ideia do consórcio é apresentar projetos que sejam estruturantes e comuns a todos os estados do Nordeste. Por exemplo, conexão digital, um projeto que possa conectar com fibra óptica todos os estados nordestinos. Isso é importante e fácil de podermos orçar como uma estratégia nossa”, afirmou o governador Camilo Santana.

Compromissos

Entre as principais medidas formalizadas pelo grupo na reunião de Teresina estão também a assinatura do “Contrato de Programa”, que deve possibilitar o compartilhamento, entre os estados, de equipamentos e insumos obtidos através das compras coletivas; acelerar o caminho das compras públicas coletivas até o final do mês de agosto; e a organização de um documento unificado e detalhado de uma reforma tributária para o Brasil.


Assuntos Relacionados