Definição sobre reajuste da Segurança Pública deve sair na quinta

O líder do Governo na Casa, deputado Júlio César Filho, enfatizou que uma decisão deve sair ainda nesta semana, porque a categoria quer começar a receber o reajuste em março e o projeto precisa ser votado na Assembleia

Legenda: Representantes dos profissionais de Segurança estiveram com parlamentares e membros do Governo, na Assembleia
Foto: Foto: José Leomar

As negociações entre o Governo do Estado e representantes da Segurança Pública sobre o reajuste salarial da categoria parecem estar próximas de um consenso. Uma nova reunião foi marcada para esta quinta-feira (13), na Assembleia Legislativa, entre as entidades e membros do Governo para ‘bater o martelo’.

A data foi definida ontem, após encontro entre militares, secretários e deputados na Assembleia, que tentam mediar um acordo. O maior impasse é em torno da correção da remuneração dos agentes da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros, que não concordam com os valores apresentados pelo Governo. 

O líder do Governo na Casa, deputado Júlio César Filho (Cidadania), enfatizou que uma decisão deve sair na quinta, porque a categoria quer começar a receber o reajuste a partir de março. “Para o Estado começar a pagar a partir de março, um projeto precisa chegar (na Assembleia) na próxima semana”, destacou.

Ainda conforme o parlamentar, o Governo irá apresentar às categorias, hoje, o quantitativo de policiais militares por patente e os valores gastos com gratificações e remunerações a representantes da PM, para avaliação das despesas do Estado.

Além disso, Júlio César destacou que o Governo irá analisar a viabilidade de atender à proposta da categoria, que pede um reajuste de 35% sobre o salário-base de um soldado, por exemplo. 

“Nós vamos avaliar até onde o Estado pode ir e, na próxima quinta, pretendemos apresentar esses números a eles (representantes de entidade)”, adiantou.

Apesar dos impasses ainda continuarem, a atitude do Governo é considerada um pequeno avanço pela categoria.

“Nós já tínhamos apresentado essa tabela (com a proposta da categoria) antes, mas o Governo não quis avaliar. Agora, eles vão analisar e a gente se reúne quinta para bater o martelo”, afirmou o presidente da Associação dos Praças do Ceará (Aspra), sargento Eliziano Queiroz.

Valores

O plano inicial apresentado pelo Executivo Estadual quer elevar o salário-base de um soldado, por exemplo, dos atuais R$ 3.475,74 para R$ 4.206,23 em 2022. Pelo projeto, a correção seria feita em quatro parcelas, sendo a última prevista para dezembro de 2022.

Já a proposta apresentada pela categoria pede que o salário-base inicial de um soldado passe dos atuais R$ 3.475,74 para R$ 4.748,95. Eles também solicitam que a correção seja paga em menos parcelas.

Sobre esses pontos, o presidente da Aspra ressalta que a correção exigida contempla a inflação dos últimos seis anos.

Quanto à redução de parcelas, o secretário da Casa Civil, Élcio Batista, disse que o Governo tentará fazer o possível para viabilizar a medida.

Entenda o caso

Na semana passada, o governador Camilo Santana (PT) apresentou um plano de reestruturação dos agentes da Segurança Pública. As correções contemplam policiais militares, bombeiros, policiais civis e peritos forenses. 

A medida, no entanto, não agradou algumas categorias. Policiais militares chegaram a fazer um protesto na Assembleia Legislativa, na última quinta, para pressionar negociações com o Governo. Depois disso, uma comissão com secretários e deputados foi montada para fazer as tratativas com a classe. Outras categorias também tentam conseguir um reajuste melhor do que o proposto por Camilo.

Reajuste geral em avaliação

Enquanto servidores da Segurança e da Saúde estão com negociações em andamento sobre reajustes de remuneração, outras categorias também reivindicam correção salarial. Hoje, o Fórum Unificado das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos Estaduais do Ceará (Fuaspec) irá fazer um ato em frente ao Palácio da Abolição, para pedir aumento salarial para outras categorias.

Ontem pela manhã, durante o Fórum Estratégico da Saúde, o governador Camilo Santana ressaltou que o Governo já estuda dar um reajuste geral para todos os servidores do Estado.

“Existe um relatório quadrimestral e o Governo já está no limite de alerta em gastos com pessoal. Nós estamos monitorando os dados financeiros para darmos passos dentro da nossa realidade”, pontuou.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política