Ciro Gomes diz que bloco do PDT quer voto aberto e livre para presidência do Senado

A eleição da nova Mesa Diretora está prevista para começar às 18h desta sexta-feira, em Brasília

Escrito por Redação,

Política

Acompanhando a posse do irmão Cid Gomes, senador eleito pelo PDT, Ciro Gomes afirmou que o bloco vai defender voto aberto e livre para presidência do Senado. A eleição da nova Mesa Diretora está prevista para começar às 18h desta sexta-feira, em Brasília, após a cerimônia de posse dos 54 senadores eleitos em outubro de 2018. 

“O bloco que nós formamos resolveu, porque não atingiu o consenso, em nome da unidade do bloco, liberar para presidente. A bancada está liberada para a presidência do Senado. Na Câmara, vamos votar no Rodrigo Maia”, comentou. 

Sem saber da desistência do senador Tasso Jereissati à candidatura, Ciro afirmou que o senador Cid votaria no cearense. Depois brincou ao dizer que precisaria “consultar os especialistas” para apontar a nova preferência. 

Ciro também fez comentários sobre o cenário atual do País. “É necessário renovar a esperança, o povo brasileiro está machucado. São quase 14 milhões de pessoas desempregadas, 63 milhões devendo, com nome sujo no SPC, 63 mil homicídios, 60 mil mulheres foram estupradas nos últimos 12 meses no país. Isso tudo encontra um Estado falido e corrompido por todos os ângulos. De maneira que, não é pouca coisa, pra gente pedir a esse Congresso Nacional que se compenetre nessa situação em que nosso povo está”, acrescentou. 

Ele defendeu, ainda, o reajuste das contas públicas como medida imediata. “O Brasil precisa de muitas coisas, mas consertar as contas públicas é premissa de tudo mais. Não há como melhorar segurança, saúde, educação do nosso povo, se o Estado brasileiro está com R$ 140 bilhões de déficit primário, e com uma dívida que já passa dos R$ 5 trilhões, com parte imoralíssima dela vencendo em apenas quatro dias”, reforçou.