Capitão Wagner quer reforçar segurança em ônibus e diz que concluirá gestão

O candidato do Pros à Prefeitura de Fortaleza foi entrevistado, na última quarta-feira (25), pelo PontoPoder Eleições, na TV Diário. Ele também falou de propostas para a Saúde, a Educação e a retomada das atividades econômicas na Capital

Capitão Wagner
Legenda: Capitão Wagner foi o primeiro dos candidatos de Fortaleza a ser entrevistado no PontoPoder Eleições
Foto: Gustavo Pellizzon

O candidato do Pros à Prefeitura de Fortaleza, Capitão Wagner, disse que vai reforçar, se eleito for, videomonitoramento interno nos ônibus de Fortaleza com o objetivo de garantir maior segurança aos usuários do transporte coletivo. Ele falou ainda que pretende ampliar as linhas do transporte público e garantiu que irá concluir os quatro anos de mandato caso vença o segundo turno das eleições de Fortaleza, a quinta maior capital do País.

>> Capitão Wagner propõe criar auxílio emergencial e escolas cívico-militares

As declarações foram dadas durante entrevista ao PontoPoder Eleições, transmitido pela TV Diário, na noite de quarta-feira (24). Nesta quinta-feira (26), o entrevistado será o candidato pedetista Sarto Nogueira.

Composição

Questionado se seu arco de aliança – que reúne lideranças políticas ligadas à pauta conservadora – vai nortear com as mesmas referências a formação do eventual secretariado, Wagner rebateu e disse que vai selecionar os “melhores técnicos para compor o secretariado”. O candidato do Pros acrescentou que “não tem compromisso com nenhum partido político” e expressou se sentir “muito tranquilo ao chegar ao segundo turno sem nenhuma amarra em relação a questão de cargos”. 

Ouça o podcast 'PontoPoder Cafezinho'



Capitão Wagner também foi indagado se ele concluirá os quatro anos de mandato caso seja eleito no atual pleito. “Ganhando a eleição, eu concluo meu mandado sem dúvida”, afirmou, ao afastar possibilidade de disputa, em 2022, ao cargo de governador do estado caso seja vitorioso em 2020. 

Educação 

Ele voltou a citar a proposta de criação de 20 escolas cívico-militares em Fortaleza, mas pontuou que o novo modelo não vai impactar no sistema educacional, envolvendo, por exemplo, os docentes. Wagner citou a Escola Militar de Juazeiro do Norte, no Cariri, como exemplo exitoso.

“Juazeiro tinha uma escola em frente ao Batalhão que detinha os piores índices educacionais da cidade. Quando foi passado o modelo de gestão da escola para a Polícia Militar, já no primeiro ano de funcionamento, tivemos 80% de aprovação no Enem. No segundo ano, 90%. A gestão do prédio, a disciplina e o equipamento são feitos nos moldes de como as escolas militares são desenvolvidas, mas a parte pedagógica, o grupo de professores, é da rede municipal tradicional.

Vamos garantir material e farda de qualidade e a segurança de professores e funcionários para deixar a família tranquila no ambiente escolar, diferente de hoje, que há violência muito grande nas escolas municipais”.

Covid-19 

No contexto dos desafios impostos pela pandemia, que afetou diversos setores, sobretudo o setor econômico dos municípios e, consequentemente, a população mais vulnerável, Wagner sustentou que pretende implantar um auxílio emergencial próprio do Município “casa não ocorra continuidade do auxílio pago pelo Governo Federal”. 

A proposta, segundo o candidato do Pros, tem viabilidade financeira avalizada por sua equipe econômica para eventual gestão. “É uma proposta palpável. Ela vai custar para os cofres do Município R$ 24 milhões mensal e a gente tem condição de viabilizar essa proposta”, assegurou. 

Capitão Wagner afirmou ainda que vai atuar junto ao Governo Federal para garantir disponibilidade suficiente de vacinas de Covid-19 de forma a contemplar a população fortalezense. 

No primeiro turno, Wagner se posicionou contra a obrigatoriedade da imunização contra a Covid-19 e disse que iria aguardar a comprovação da eficácia da vacina. Agora, ele reconheceu a importância da imunização e lembrou que “a vacina vai garantir a saúde das pessoas e garantir o retorno da atividade econômica”. 

Propostas 

Caso saia vencedor do pleito deste próximo domingo (29), o candidato do Pros disse que vai priorizar a segurança pública em seu início de mandato, garantiu que atuará pela retomada econômica “respeitando as medidas sanitárias” e antecipou que vai dialogar com o Sindiônibus para ampliar a oferta do transporte público e torná-lo atraente.

“A grande dificuldade do nosso transporte coletivo é fazer com que ofereça ao cidadão incentivos para que ele possa ser utilizado. As pessoas preferem usar transporte próprio em detrimento do ônibus, que além de ser superlotado, é desconfortável e não oferece segurança”, detalhou.

Com o objetivo de aumentar a segurança nas paradas e nos próprios coletivos, Capitão Wagner acrescentou que pretende dispor “equipes de guardas-municipais disfarçados que vão trabalhar nas linhas conforme as estáticas apontarem maior incidência de crimes”. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política