Capitão Wagner propõe criar auxílio emergencial e escolas cívico-militares

Candidato do Pros à Prefeitura de Fortaleza promete instituir ajuda financeira a famílias afetadas pela pandemia, mas não especifica fonte de recursos, citando apenas que o combate à corrupção vai garantir o pagamento de renda mínima

fotografia
Legenda: Candidato do Pros afirmou que priorizará plano para retomada segura do ensino municipal em 2021
Foto: Kid Júnior

O candidato à Prefeitura de Fortaleza, Capitão Wagner Sousa (Pros), propôs a criação de 20 novas escolas cívicos-militares na Capital cearense. Ele também prometeu, sem especificar a fonte de recursos, instituir um auxílio emergencial em substituição ao recurso do Governo Federal pago durante a pandemia da Covid-19, cuja extensão deve ser finalizada no próximo mês de dezembro. As propostas foram externadas durante entrevista à TV Verdes Mares, ontem. Na segunda, o candidato Sarto Nogueira (PDT) foi o entrevistado.

Questionado sobre quais seriam seus primeiros atos como prefeito de Fortaleza, Wagner disse que vai priorizar a criação de um auxílio emergencial no valor de R$ 300 “desde que não haja prorrogação do auxílio do Governo Federal”. O recurso seria pago aos fortalezenses que não são atendidos pelo Bolsa Família. 

“Uma cena que tem me causado grande pavor é ver pessoas passando fome nas ruas da cidade de Fortaleza. Meu foco vai ser que ninguém possa passar fome nessa cidade”.

Além desse auxílio, Wagner disse que vai criar o programa ‘Babá Solidário’, pago igualmente no valor de R$ 300. 
“(O Programa) dá à mãe condição de entrar no mercado de trabalho, e a pessoa que vai ficar com essa criança, que vai ser escolhida pela mãe, pode ser um vizinho, um parente; essa pessoa vai receber também essa ajuda de custo”, acrescentou o candidato. 

Indagado se há recursos para custear esses programas, Wagner respondeu afirmativamente, sem detalhar a fonte. “Estancando esse dinheiro que está vazando pelo ralo da corrupção vamos, sim, ter o recurso suficiente para garantir essa renda mínima”, afirmou ao citar “três escândalos recentes de corrupção investigados pela Polícia Federal”. 

Educação 

Durante a entrevista, Wagner criticou “a atual gestão” por “não ter apresentado nenhum plano de retomada das aulas nas escolas municipais”. Ele avalia que este cenário deve-se à falta de “investimento do Município em tecnologia para que a gente tenha pelo menos aula a distância”. Para reverter essa realidade, o candidato disse que vai “garantir o retorno das atividades, desde que a estrutura esteja toda pronta para garantir que não haverá risco nem para o aluno, nem para o professor ou funcionário”. 

Ainda na área da educação, Wagner afirmou que vai criar 20 escolas cívico-militares. Segundo ele, “esse modelo tem reconhecimento de 80% da população e que é exitoso em termos de resultados”. 

Segurança pública 

O candidato de oposição ao atual grupo governista disse ainda que vai criar o programa “Segurança na parada”. Segundo Wagner, as paradas de ônibus “são hoje os locais mais inseguros que existem na cidade”.

A proposta, portanto, prevê “guardas-municipais treinados, equipados e armados, e com motocicletas farão rondas nessas paradas no momento em que há maior ociosidade de pessoas nas ruas: no começo da manhã, onde muitas pessoas são vítimas de assaltos, entre meio-dia e 14 horas, e também no final do dia”. Outra proposta na área da segurança vai ser “utilizar o vídeo monitoramento para proteger o cidadão e dar segurança à cidade de Fortaleza”. 

Diálogo 

Sobre a minoria da sua coligação na Câmara de Vereadores, Wagner minimizou este cenário e recordou a eleição de 2012, quando o prefeito eleito Roberto Cláudio (PDT) elegeu menos da metade dos vereadores da bancada do PT, então apoiadora da candidatura do Elmano de Freitas. “Facilmente depois do segundo turno o prefeito Roberto Cláudio se reuniu com esses eleitos e conseguiu ter maioria na Câmara de Vereadores. O diálogo é presente em toda minha vida. Conhecemos as demandas que eles têm e por conta disso facilmente vamos construir essa base aliada para governar com segurança”. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política