Capitão Wagner e Sarto Nogueira têm último embate antes do voto

Os candidatos à Prefeitura de Fortaleza participaram ontem do último debate, na TV Verdes Mares, antes do segundo turno. Sarto Nogueira (PDT) e Capitão Wagner (Pros) falaram de propostas para tentar convencer os eleitores

Legenda: Debate entre Capitão Wagner e Sarto Nogueira foi mediado pelo apresentador Luiz Esteves
Foto: Kid Júnior

Capitão Wagner (Pros) e Sarto Nogueira (PDT) se confrontaram, ontem, pela última vez, antes do dia decisivo que vai definir quem comandará a Prefeitura de Fortaleza pelos próximos quatro anos. Um debate que colocou na pauta temas como saúde, educação, pandemia e gestão fiscal do Município. No confronto, na TV Verdes Mares, não foram registrados pedidos de direito de resposta, prática comum quando há ataques pessoais entre adversários. O debate de ontem mostrou adversários equilibrados no último embate antes da votação. 

No primeiro bloco, o candidato Capitão Wagner (Pros) abordou propostas que envolvem a criação de um auxílio emergencial na Capital custeado pela Prefeitura como forma de combater o desemprego provocado pela pandemia da Covid-19. 

O deputado federal prometeu transferir para fortalezenses de baixa renda um valor de R$ 300 durante o período de crise econômica provocado pelo novo coronavírus. Por outro lado, o candidato Sarto Nogueira (PDT) apresentou propostas voltadas para as mulheres. O pedetista chamou de “maior programa de políticas públicas para as mulheres” o projeto “Nossa Guerreiras”, que prevê auxílio e capacitação para a criação de um pequeno negócio. 

Outro projeto citado pelo candidato do PDT é a instituição de um aluguel social chamado “Maria da Penha” para acolher mulheres vítimas da violência.

Segundo bloco

No segundo bloco do debate, os candidatos debateram sobre a criação de emprego e renda. Enquanto Sarto prometeu implementar o projeto “Meu Bairro Empreendedor”, de requalificação urbana estimulando a economia de bairro, o oponente propôs digitalizar a gestão para facilitar os empreendedores se instalarem nas regiões para estimular a geração de empregos na periferia da Capital. 

Capitão Wagner citou ainda a manutenção de projeto da ex-prefeita Luizianne Lins (PT) sobre a estratégia para a construção de casas populares para a população dos bairros mais carentes. 

Segundo ele, os empreendimentos precisariam ser construídos na mesma localidade em que elas moram. Sarto argumentou que o prefeito Roberto Cláudio (PDT) fez “o maior programa habitacional da história de Fortaleza” ao construir, segundo ele, 25 mil moradias que atendem a 100 mil pessoas. O candidato apontou também a política do papel da casa. Ele prometeu construir 5 mil habitações.

Transporte urbano

Ainda no segundo bloco, Wagner e Sarto debateram sobre políticas de transporte público na Capital. O deputado estadual argumentou que Fortaleza reduziu mortes no trânsito nos últimos meses, além de citar iniciativas da atual gestão, como ciclofaixas e ciclovias. 

Sobre o assunto, Wagner prometeu criar os “superbairros”, que, segundo o candidato do Pros, serão comunidades que terão posto de saúde, areninhas, bilhete único, ou seja, “infraestrutura no próprio bairro que vai evitar os deslocamentos” da população na rotina. Wagner propõe a construção de escolas e dar condições de empregos para moradores no próprio bairro. 

Contas públicas

No terceiro bloco, ao rebater questionamentos de Capitão Wagner sobre investigações da Polícia Federal que envolvem a Prefeitura, Sarto negou irregularidades na atual gestão e disse achar estranho, a poucos dias da eleição municipal, “começarem a surgir essas marmotas eleitorais”. “Quem quer seja encontrado com corrupção será punido”, reagiu.

Na área da gestão fiscal, o pedetista apontou o crescimento econômico de Fortaleza nos últimos anos. Segundo ele, houve um investimento de R$ 3,6 bilhões nos últimos oito anos da gestão do prefeito Roberto Cláudio. 
Rebatendo a fala do candidato do PDT, Wagner argumentou que a Capital não consegue contrair empréstimo por causa de dívidas. O candidato do Pros citou que a cidade arrecadou R$ 148 milhões de multas de trânsito. 

Assista ao PontoPoder Eleições

Saúde

Um dos temas mais discutidos no debate foi saúde por conta das consequências da pandemia. Sarto defendeu que Fortaleza precisa de uma cobertura maior no atendimento básico, e que, por isso, precisa construir postos de saúde. 
“Fortaleza tem 85% da população que utiliza o Sistema Único de Saúde, e eu vou universalizar esse atendimento”, disse. Ele prometeu comprar a vacina contra a Covid-19 para toda a população. 

Capitão Wagner, por outro lado, prometeu colocar para funcionar bem os equipamentos de saúde que já existem ao argumentar que o recurso público é limitado. “Vamos resgatar o terceiro turno nos postos de saúde. Vamos cuidar do servidor da saúde”, disse.

Avaliações

Após o debate, Sarto e Wagner ressaltaram pontos-chaves que discutiram e disseram estar otimistas para conquistar o eleitor indeciso. 

O pedetista frisou, ainda, que o próximo prefeito de Fortaleza, diante da crise sanitária e econômica causadas por conta da pandemia da Covid-19, terá vários desafios para ajudar na recuperação econômica. 

“Os desafios precisam de alguém experiente, que tenha equipe, que tenha sensibilidade e capacidade de respeito e diálogo com os pensamentos divergentes”, afirmou o candidato da situação.

Já Capitão Wagner enfatizou que as propostas destacadas sobre saúde, educação, segurança pública e outros temas apresentados no programa devem ajudá-lo a atingir o eleitor indeciso.

“A gente espera que a gente tenha conseguido atingir o maior número de eleitores que estavam indecisos”, disse o postulante do Pros.

Alianças

Em um clima de expectativas, com apoiadores aguardando do lado de fora da sede da TV Verdes Mares, os dois candidatos chegaram acompanhados de aliados: o prefeito Roberto Cláudio (PDT), ao lado de Sarto, e o senador Eduardo Girão (Podemos), ao lado de Capitão Wagner. 

Na ocasião, o senador relembrou a disputa com Eunício Oliveira (MDB) em 2018 ao citar pesquisas de intenções de voto para a Capital no segundo turno. 

Girão ressaltou que aparecia atrás nos levantamentos dos institutos em relação ao então presidente do Congresso Nacional, e acabou derrotando o emedebista nas urnas. “Que a verdade vença, que o bem vença, que as dúvidas que a população têm sejam elucidadas com os dois candidatos, um olhando para o outro. Hoje em dia está muito fácil perceber o discurso de ódio e de intolerância”, disse.

Já o prefeito Roberto Cláudio destacou a experiência do candidato pedetista para enfrentar Capitão Wagner, a quem se referiu como “adversário político do governador Camilo Santana”.

“Nós temos um candidato que claramente faz oposição ao governador Camilo, a mim (...). Do outro lado está alguém experiente, com sabedoria. É a garantia de que tem equipe e time para continuar avançando”, afirmou o gestor.

Regras

Para a realização do debate, o Sistema Verdes Mares adotou medidas de segurança sanitária a fim de evitar a disseminação do novo coronavírus. Os candidatos tiveram, por exemplo, a temperatura aferida na chegada à sede da TV Verdes Mares. Foram dois blocos de perguntas de tema livre e um bloco com perguntas de tema determinado. 

As perguntas foram feitas de candidato para candidato. No último bloco, os candidatos fizeram as considerações finais. Definido em reunião com as assessorias dos prefeituráveis, foi acertado que o primeiro bloco seria de perguntas com tema livre; o segundo com perguntas com tema determinado a partir de entrevistas de eleitores pela pesquisa Ibope; já o terceiro com perguntas com tema livre e considerações finais.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política