Bolsonaro sinaliza que deve sancionar Fundo Eleitoral

O presidente da República mudou seu discurso sobre a destinação de R$ 2 bilhões para as campanhas de 2020

Escrito por Redação, politica@svm.com.br

Política
Legenda: Para justificar sua fala sobre fundo eleitoral, Jair Bolsonaro citou artigo 85 da Constituição
Foto: Foto: PR

O presidente Jair Bolsonaro mudou seu discurso sobre o fundo eleitoral. No fim de 2019, chegou a dizer que a tendência era vetar a destinação de R$ 2 bilhões para o financiamento das campanhas eleitorais. Ontem, ele sinalizar, ontem, que irá sancionar o fundo eleitoral de R$ 2 bilhões, dizendo que "a sanção é uma obediência à lei", e afirmou que é preciso "preparar a opinião pública" para a sua decisão.

O fundo eleitoral consta no Orçamento de 2020, aprovado em dezembro pelo Congresso. Líderes partidários chegaram a sugerir elevar o valor para R$ 3,8 bilhões, mas recuaram após Bolsonaro sinalizar que poderia vetar qualquer valor acima dos R$ 2 bilhões, previsão que consta da proposta encaminhada pela equipe econômica.

Ontem, o presidente voltou a citar o artigo 85 da Constituição, que afirma que "são crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal". "O veto ou sanção, a sanção é uma obediência à lei. Se você for ler o artigo 85 da Constituição, se eu não respeitar a lei, estou incurso em crime de responsabilidade. Só isso. É o que eu posso dizer", afirmou Bolsonaro, sem, no entanto, confirmar que irá sancionar o fundo: "A conclusão agora é de você".

O presidente afirmou, então, que é preciso explicar isso para a população, porque se não a imprensa iria "massacrar" e "arrebentar" ele.

"Tem que preparar a opinião pública, caso contrário vocês me massacram, vocês arrebentam comigo".

Equipe

O Diário Oficial da União deve publicar hoje a nomeação de um técnico para ocupar a Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), cargo que está vago desde e novembro com a saída do general Santa Rosa. O escolhido foi Bruno Grossi, que atualmente é secretário-adjunto de Gestão Orçamentária do Ministério da Economia.