Bolsonaro pode trocar embaixada por escritório comercial em Jerusalém

Com a abertura de uma representação brasileira na cidade, o discurso de que a transferência total está em estudo ganha amparo em uma medida concreta

Legenda: A motivação inicial de Bolsonaro para a transferência foi a de agradar os evangélicos de raiz pentecostal, grupo que o apoiou de forma majoritária na eleição
Foto: Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) viajará no fim de semana a Israel com um problema: como cumprir a promessa feita ao premiê Binyamin Netanyahu de mudar a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.

A solução que está sendo analisada, dadas as resistências cristalizadas à mudança, é o anúncio da abertura de um escritório de representação comercial brasileiro em Jerusalém. Com isso, o discurso de que a transferência está em estudo ganha amparo em uma medida concreta.

Tanto diplomatas brasileiros quanto o Ministério das Relações Exteriores de Israel trabalham com a hipótese. Dos dois lados, contudo, a reportagem ouviu que a conhecida imprevisibilidade de Bolsonaro impede uma certeza do que vai acontecer.

O tema gera confusão desde que, durante a campanha, Bolsonaro assumiu o compromisso, que contraria a tradição diplomática brasileira de seguir a orientação das Nações Unidas e esperar uma resolução do conflito entre israelenses e palestinos para definir o status da cidade que ambos os povos clamam como sua capital.

Mover a embaixada é reconhecer esse status, e foi uma das primeiras medidas do ídolo externo de Bolsonaro, o presidente americano Donald Trump. Até aqui, apenas a Guatemala fez o mesmo. O restante das nações que reconhecem Israel mantém seus embaixadores na litorânea Tel Aviv.

Para complicar, Bibi, como o premiê é conhecido, está sob pressão e pode perder o cargo nas eleições do dia 9 de abril. Na virada do ano, ele emprestou prestígio político a Bolsonaro visitando o Brasil e comparecendo à posse do presidente, de quem ouviu que a mudança da embaixada seria uma questão de tempo.

A motivação inicial de Bolsonaro foi a de agradar os evangélicos de raiz pentecostal, grupo que o apoiou de forma majoritária na eleição. Eles acreditam de forma geral que o Estado judeu merece estar nas terras bíblicas, e há uma leitura mais fundamentalista que crê na necessidade de Israel existir para que Jesus Cristo volte à Terra e cumpra as profecias do Apocalipse.

Bolsonaro, que é católico mas batizou-se evangélico para seguir a mulher em 2016, aparentemente não professa a segunda visão, milenarista. Mas citou mais de uma vez a "verdade bíblica" acerca de Israel e a necessidade de reconhecer o Estado integralmente.

O problema está na natureza terrena das coisas. Assim que a ideia foi ventilada, produtores de carne brasileiros foram ao então governo Michel Temer levar a preocupação da categoria. O Brasil é um dos maiores exportadores de proteína animal halal, feita sob princípios de produção e abate islâmicos, e poderia perder mercados com uma atitude francamente pró-Israel.

Após a eleição, a Liga Árabe externou publicamente a questão. Cerca de 40% da carne de frango e 45% da bovina exportados pelo Brasil são halal. A Arábia Saudita determinou embargo à compra de frango brasileiro, embora tenha usado argumentos técnicos.

Com tudo isso, a ala militar do governo resolveu assumir a questão. Já em janeiro, quando estava interinamente na Presidência, o vice Hamilton Mourão baixou o tom da questão da mudança, dizendo ser apenas um estudo. Recebeu representantes árabes, deixando irritados diplomatas israelenses que acompanharam as promessas de Bolsonaro.

Na sequência, o próprio chanceler, Ernesto Araújo, mudou o tom e adotou o discurso de que tudo está em estudo. Nesta quarta (27), Bolsonaro falou o mesmo em entrevista.

A aproximação entre os dois países, contudo, deverá prosseguir.

É uma agenda prioritária de realinhamento brasileiro ao eixo político norte-americano, expresso por Bolsonaro e pelo chanceler. Ambos estão na missão com Eduardo, o filho do presidente que comanda a Comissão de Relações Exteriores da Câmara, e com o assessor internacional da Presidência Filipe Martins. Todos são seguidores de Olavo de Carvalho, o americanófilo ideólogo dos bolsonaristas.

Politicamente, o Brasil sempre foi defensor da solução de dois Estados na região, e nos últimos anos vinha tomando posições contrárias a Israel em fóruns da ONU, especialmente em relação aos direitos humanos. Isso mudou na primeira votação envolvendo o país, na semana passada, naquilo que o chanceler Araújo disse ser uma correção de rota permanente.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política