Após semana tensa em Brasília, Bolsonaro cumpre agenda em Israel

Entre acordos assinados, o presidente brasileiro anunciou abertura de um escritório de representação comercial em Jerusalém. Ele também destacou que cooperação nas áreas de Segurança e Defesa interessa ao Brasil

Legenda: Bolsonaro chamou Netanyahu de irmão e disse, em hebraico, que ama Israel
Foto: Foto: Alan Santos/PR

Após uma semana de tensões com o Congresso, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) iniciou no domingo (31), oficialmente, uma viagem de quatro dias a Israel, com discurso de estreitar relação que deve representar novos projetos para o Brasil, defendido desde a campanha. Ele anunciou a abertura de um escritório de representação comercial em Jerusalém, "centrado em ciência, tecnologia e inovação".

Nesta segunda-feira (1º), Bolsonaro visitará a Brigada de Resgate e Salvamento do Comando da Frente Interna de Israel. Depois, irá à Unidade de contra-terrorismo da polícia israelense e vai condecorar os israelenses da Brigada de Busca e Salvamento que atuaram nos resgates em Brumadinho (MG). Na parte da tarde, ele irá à Cidade Velha de Jerusalém, onde visitará a Igreja do Santo Sepulcro e o Muro das Lamentações.

Ainda no domingo, o presidente também disse nas redes sociais que a resolução reconhece "os vínculos históricos de Jerusalém com a identidade judaica e também que a cidade é o coração político do Estado de Israel". "Eu espero, e eu gostaria de acreditar, que esse é o primeiro passo para a abertura de uma embaixada em Jerusalém, quando for o tempo", disse o premiê israelense, Binyamin Netanyahu.

Durante a campanha presidencial, Bolsonaro assumiu o compromisso de transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém. A decisão, porém, contraria a tradição diplomática brasileira de seguir a orientação das Nações Unidas e esperar uma resolução do conflito entre israelenses e palestinos para definir o status de Jerusalém, que ambos os povos clamam como sua capital.

Na visita, Bolsonaro também afirmou que seu Governo "está firmemente decidido a fortalecer a parceria Brasil-Israel". Ele lembrou ainda, nas redes sociais, que "a cooperação nas áreas de Segurança e Defesa também interessam muito ao Brasil".

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política

Assuntos Relacionados