Temporal castiga Rio de Janeiro com alagamentos

Capital fluminense é colocada em estado de atenção na noite desta segunda

Legenda: Em Botafogo, as ruas ficaram alagadas prejudicando o tráfego de veículos e a vida de pedestres
Foto: AFP

O Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro informa que o município decretou estágio de atenção no início da noite de hoje (8) devido aos temporais que atingem vários pontos da cidade. De acordo com o Sistema Alerta Rio, núcleos de chuva forte devem continuar atuando na zona sul da cidade. Nas últimas leituras dos pluviômetros da prefeitura, houve registro de temporais em bairros como Jardim Botânico e Copacabana, acompanhados de raios e trovões.

O estágio de atenção é o segundo em uma escala de três e prevê chuva moderada, ocasionalmente forte/muito forte, nas próximas horas, podendo causar alagamentos e deslizamentos isolados e transtornos pontuais. Nesse estágio, os operadores do Alerta Rio estão em constante comunicação com os órgãos municipais que atuam nas situações de chuva.

Foto: AFP

De acordo com o Alerta Rio, foram acionadas 35 sirenes em 19 comunidades, entre elas, Pavão-Pavãozinho, Cantagalo e Cabritos, na zona sul da cidade, e no Morro do Formiga, no bairro da Tijuca, na zona norte. Chove muito forte também na Lagoa, em Humaitá e Botafogo, que estão com as ruas completamente alagadas. A Rua Pacheco Leão, no Jardim Botânico, teve carros arrastados pela força da água e muito lixo na rua. As avenidas Epitácio Pessoa e Borges de Medeiros, também na Lagoa, estão intransitáveis. O acesso à estação do metrô na Praça General Osório, em Ipanema, ficou alagado, mas não chegou a fechar ao público. Os trens da concessionária Metrô Rio e da SuperVia funcionam com intervalos reduzidos entre as composições.

Legenda: Em Botafogo, alguns moradores preferiram esperar a chuva forte passar
Foto: AFP

Na zona norte, a Avenida Maracanã está interditada nos dois sentidos. O Rio Maracanã transbordou na altura do estádio e impede a passagem dos veículos em direção ao centro e à zona norte da cidade. O Alto da Boa Vista está interditado no sentido Barra da Tijuca, devido ao grande volume de chuva e da queda de árvores.

O Alerta Rio reforça a previsão de chuva forte para as próximas horas, devido à influência de ventos em altos níveis da atmosfera, em conjunto com um sistema de baixa pressão no oceano.

Já a Marinha do Brasil enviou um aviso de ressaca do mar que vai vigorar das 9h desta terça-feira (9) às 9h de quinta-feira (11). De acordo com o alerta, as ondas poderão chegar a 2,5 metros de altura na orla do Rio.

Foto: AFP

Sul fluminense

Os municípios de Barra Mansa e Volta Redonda, no sul fluminense, decretaram situação de emergência em consequência do temporal da noite passada e da madrugada desta segunda-feira (8).

Em Barra Mansa, o prefeito Rodrigo Drable decretou situação de emergência por causa de deslizamentos de terra, do desabamento de uma casa e da inundação em várias escolas públicas, o que levou à suspensão das aulas. O Rio Barra Mansa atingiu 5 metros de altura e transbordou, provocando inundação de várias casas nos bairros Nova Esperança e São Luiz. A Defesa Civil municipal informou que cerca de 2,5 mil famílias foram atingidas pelo temporal do fim de semana.

A chuva provocou também queda de árvores em vários bairros e o desabamento de uma residência no bairro São Sebastião. Os escombros atingiram duas casas na Rua Santina Pereira de Melo. Um homem sofreu ferimentos leves e foi encaminhado para a Santa Casa de Misericórdia. Como medida de prevenção, a Defesa Civil interditou seis casas na região.

O trânsito foi desviado em vários bairros por causa do grande volume de lama e barro que desceu das encostas e deixou as ruas intransitáveis. Servidores da Vigilância em Saúde Ambiental foram distribuídos entre cinco bairros e na Região Leste para ensinar as pessoas cuja casa foi inundada a desinfetar corretamente o ambiente. Além de receber cloro para ser usado nesse procedimento, os moradres aprendem a descartar corretamente alimentos e medicamentos que tiveram contato com a água da chuva.

A queda de energia elétrica provocou problemas no abastecimento de água na Região Leste. A previsão é que o serviço seja normalizado em até 48 horas. A prefeitura está enviando caminhões-pipa para abastecer as casas, e a prioridade de atendimento é para famílias com crianças pequenas, idosos e deficientes.

Em Volta Redonda, o prefeito Samuca Silva disse que, com o decreto de situação de emergência, ficarão mais rápidos os prazos de contratação de serviços e obras para amenizar os efeitos do temporal que atingiu o município. Ele informou que recebeu uma ligação do governador em exercício Claudio Castro, ao qual pediu ajuda para receber máquinas do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), para que nos ajude a acelerar a recuperação e limpeza da cidade.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil do município, Leandro Rezende, choveu 169 milímetros (mm) em quatro horas. O esperado para o todo mês era de 120mm. Rezende informou que oito famílias desalojadas estão sendo atendidas pela Secretaria de Ação Comunitária e quequatro pessoas foram socorridas pelo Corpo de Bombeiros, atingidas por deslizamentos de terra. Sete casas e uma loja foram interditadas.

Limpeza de ruas

Segundo o secretário de Infraestrutura de Volta Redonda,Toninho Oreste, 40 caminhões e oito retroescavadeiras estão sendo usados na limpeza de ruas para viabilizar a passagem de carros e ônibus.

A Secretaria Municipal de Educação informou que o temporal causou danos a escolas da rede pública, o que levou à suspensão das aulas e à interdição de algumas, afetando cerca de 1.300 alunos.


Categorias Relacionadas