Recife e Olinda registram casos de foliões atacados por agulhadas

Pelo menos 12 pessoas fizeram denúncias à Polícia Civil na Grande Recife

Legenda: Mulher, que procurou o hospital, mostra onde foi atingida durante o Carnaval pernambucano, em 2019
Foto: Reprodução/TV Globo

Doze pessoas denunciaram à Polícia Civil ter levado "agulhadas" no Carnaval de 2020, na Região Metropolitana do Recife, informa o G1. O número de vítimas pode ser ainda maior.  No ano passado, cerca de 300 pessoas prestaram queixa no estado sobre esse tipo de ocorrência e não houve relatos de contaminação.

Em nota divulgada pela Secretaria de Defesa Social (SDS), dez casos foram registrados no sábado (22) e dois, no domingo (23), segundo o G1.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou, no domingo (23), que recebeu notificação de 23 pessoas, que alegaram terem sido furadas por agulhas, no Recife e em Olinda.

Os casos foram registrados pela Saúde entre os dias 15 a 22 de fevereiro. Ou seja, também estão inclusos possíveis agressões no período de prévias.

Deste total, 21 pessoas deram entrada no Hospital Correia Picanço, na Zona Norte da capital. No sábado, informou a SES, 12 pessoas relataram a mesma ocorrência.

Segundo a SES, os pacientes foram admitidos na unidade, referência estadual em doenças infecto-contagiosas. Após uma triagem, 20 realizaram a profilaxia pós-exposição (PeP) para prevenir a infecção pelo HIV e outras infecções. A Pasta disse também que, dos 23 casos, 15 são mulheres e oito, homens.

Por meio de nota, a Polícia alertou que é preciso "ter cuidado no trato do tema, para não causar pânico desnecessário à população". No ano passado, diz a polícia, "apenas" duas pessoas se prontificaram a prestar depoimentos. "Retratos falados foram feitos, diligências, análise de imagens, mas os inquéritos não identificaram suspeitos devido à ausência de elementos, assim como uma possível motivação para essas ações", informou.