Prefeitura do Rio cancela festa de Réveillon depois de São Paulo

Empresa de turismo da capital fluminense vê inviabilidade de realizar evento sem a existência de vacina

Legenda: Réveillon em Copacabana tinha previsão de reunir 3 milhões de pessoas
Foto: Agência Brasil

Depois de São Paulo, agora é a vez da cidade do Rio de Janeiro cancelar sua festa de Réveillon, uma das maiores do mundo, devido à pandemia da Covid-19. Neste sábado(25), a Riotur, empresa de turismo da capital fluminense, anunciou a decisão, alegando que "não é viável neste cenário de pandemia, sem a existência de uma vacina". O evento reuniu, em 2019, cerca de 2,9 milhões de pessoas nas areias da praia de Copacabana.

É mais uma mudança no calendário de eventos do Rio de Janeiro, que ainda avalia se vai adiar a realização dos desfiles das escolas de samba no Carnaval de 2021. Só em setembro, haverá uma decisão oficial sobre a apresentação das agremiações carnavalescas na Marquês de Sapucaí.

Nos próximos dias, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, deve receber uma proposta da Riotur sobre novas formas de comemorar a virada do ano, sem a presença direta de público, usando as plataformas digitais, a fim de preservar a segurança das pessoas.

O planejamento do Réveillon carioca começaria no mês que vem.  Já a comemoração do Réveillon de Fortaleza só deve ser definida em outubro.

Em abril, a Bahia foi o primeiro estado a falar em adiar festas populares, como o Carnaval de 2021, condicionado a realização do evento à existência de uma vacina.

Você tem interesse em receber mais conteúdo do Brasil?