Gráficos usados em tuíte não comprovam que o Brasil está próximo de alcançar imunidade de rebanho

Reportagem do Projeto Comprova, que combate desinformação e conteúdos enganosos na internet.

Foto: Reprodução/Projeto Comprova

É enganosa a publicação que circula no Twitter afirmando que o Brasil poderia “ser o primeiro país relevante do mundo, em território e em população, a atingir a tão desejada imunidade de rebanho”. O uso deste tipo de imunização coletiva provocada pela própria doença como estratégia para conter a pandemia do novo coronavírus não é endossado pelos cientistas ouvidos pelo Comprova, entre outros motivos porque poderia aumentar substancialmente o número de mortes pela covid-19. Além disso, não há dados que indiquem que o país já teria alcançado os percentuais necessários para uma proteção coletiva capaz de frear o vírus Sars-CoV-2.

A imunidade de rebanho é um conceito com origem na proteção proporcionada pelas vacinas, e não naturalmente pelas doenças, segundo o qual a partir de um percentual de pessoas imunizadas, outras ainda suscetíveis à doença e que não se vacinaram também ficariam protegidas, porque o agente deixa de circular.

Os gráficos usados na postagem verificada aqui podem ser encontrados no site do Ministério da Saúde. Eles indicam um número menor de casos e mortes nas últimas semanas, mas não que o Brasil estaria próximo de chegar à imunidade de rebanho por vias naturais. Segundo o médico imunologista Julio Croda, pesquisador da Fiocruz e professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), os números do país não indicam um patamar de casos capaz de representar uma imunidade de rebanho. Há também dúvidas que cercam a longevidade da proteção causada pela doença, já que casos de reinfecção são investigados em vários países, inclusive no Brasil.

A mensagem foi publicada pelo empresário Winston Ling. A reportagem tentou contato com ele por e-mail para comentar a postagem, mas não obteve retorno.

Como verificamos?

Iniciamos a apuração tentando contato com o autor do post, o empresário Winston Ling. Para isso, contatamos o Instituto Ling, com sede em Porto Alegre, por e-mail. A instituição, fundada pela família Ling, respondeu informando um e-mail para tentarmos contato. Enviamos mensagem para o endereço eletrônico informado, mas não houve retorno até o fechamento deste material.

Também fizemos buscas no Google sobre materiais relacionados à imunidade de rebanho. Com o intuito de compreender melhor essa estratégia como recurso para frear a pandemia, entrevistamos especialistas na área. Os profissionais que nos deram apoio foram Fernando Barros, professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), epidemiologista e integrante da pesquisa Epicovid, que estuda a prevalência do vírus entre a população brasileira, e Julio Croda, pesquisador da Fiocruz e professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

Checamos, também, dados sobre o coronavírus no Brasil, mantidos pelo Ministério da Saúde, e acionamos a assessoria da pasta para questionar sobre a autoria dos gráficos expostos por Ling.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 26 de outubro de 2020.

Verificação

A polêmica da imunidade de rebanho

Em seu tuíte, o empresário escreve que “O Brasil poderá ser o primeiro país relevante do mundo, em território e em população, a atingir a tão desejada imunidade de rebanho.” Na realidade, não há consenso sobre a imunidade de rebanho ser de fato “desejada” como estratégia para frear a pandemia tampouco em relação à sua eficácia.

De acordo com Fernando Barros, professor da UFPel, ela ocorre “quando o vírus já não consegue mais circular em uma comunidade porque faltam pessoas suscetíveis” a ele. Segundo Barros, essa terminologia deriva de processos imunizadores que envolvem vacinações em massa. “A imunidade de rebanho se dá quando os níveis de imunização chegam em uma determinada proporção na população; por exemplo, em torno de 90% no caso do sarampo”, diz. “Diante disso, esses 10% das crianças que não estão vacinadas com frequência não se contaminam porque o vírus deixa de circular”, afirma.

O médico e pesquisador acrescenta que “numa situação de vacina não há risco” com a imunidade de rebanho, porque as pessoas não vão desenvolver doença grave ou morrer por causa da vacina. No entanto, tentar atingir essa imunização na atual pandemia somente a partir da contaminação é perigoso e poderia provocar alta mortalidade, já que mesmo em populações jovens a doença pode ser grave em alguns casos. “É por isso que não se propõe imunidade de rebanho para a covid-19, porque para que a população tenha imunidade (por intermédio da infecção), vai morrer muita gente, e muita gente vai ficar com muita sequela. Na situação da vacina, não”, compara.

“Na situação da covid-19, o risco é que, para se conseguir atingir níveis de imunização de rebanho, tanta gente vai ter de ficar infectada que vai haver muita mortalidade também”, afirma. Um estudo publicado em 19 de outubro no periódico científico Journal of the American Medical Association (JAMA), que discute diferentes níveis de imunidade para doenças infeciosas distintas, estimou que a imunidade de rebanho no caso do novo coronavírus, em um cenário sem vacina, surgiria com no mínimo 60% da população infectada. “Ninguém está recomendando que países ou regiões assumam esse tipo de conduta”, avalia.

Barros também pontua que a Suécia, frequentemente apontada por defensores da estratégia como exemplo sobre o tema, não usou essa metodologia para frear o contágio de Sars-CoV-2. O próprio presidente Bolsonaro mencionou o país escandinavo em maio, quando disse que a “Suécia não fechou!”, conforme reportagem da Folha de São Paulo. De acordo com a matéria, “em vez de decretar o fechamento dos estabelecimentos, o governo sueco confiou na população para tomar os cuidados com a infecção e se impor os limites necessários para combater a disseminação do vírus.”

“Eles não fizeram nunca uma política, como em outros países, de distanciamento social e lockdown. Mas, em determinado momento, fizeram medidas que eram de restrição, de distanciamento. Eles não deixaram todo mundo ficar no mesmo nível de contato para tentar conseguir uma imunidade de população. E a gente nota que eles têm uma mortalidade maior do que outros países da escandinávia”, afirma Barros.

O epidemiologista argumenta também que não há exemplos de locais que tenham usado com sucesso a imunidade de rebanho.

“A chance de ser eficiente nessa pandemia de coronavírus é muito pequena. Até agora, não se conhece locais que tenham atingido esse tipo de imunidade e que o vírus deixe de circular. Se vê que na Europa está voltando. Manaus, que é um lugar que tem alta prevalência da população com anticorpos, também tem casos novos. Então, não se conhece nenhum lugar onde isso tenha funcionado. Pelo menos, até agora”, pondera.

O médico infectologista Julio Croda, pesquisador da Fiocruz e professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, também contesta o uso da chamada imunidade de rebanho como forma de tentar conter o avanço da covid-19. Um dos problemas dessa proposta está no fato de não se saber por quanto tempo a pessoa permanece imune após a infecção. Outra consequência grave seria o alto número de mortes.

“A imunidade coletiva está tendo seu impacto, mas não é estratégia de controle da doença porque custa muitas mortes para grande parcela da população que adoece”, afirma. “Para a gente ter um controle natural da doença, precisaríamos que muitas pessoas morressem. Do ponto de vista ético, a sociedade precisa estar disposta a pagar esse preço com tantas vidas, e acho que a maioria das sociedades não está disposta”, afirmou.

A alternativa a essa estratégia, conforme o pesquisador, é o chamado achatamento da curva, com medidas de prevenção como distanciamento social. Isso permite uma menor circulação viral, com menos casos, menos mortes e possibilidade de atendimento médico, enquanto a medicina evolui em direção a tratamentos e vacinas que possam evitar óbitos no futuro.

Imunidade coletiva no Brasil

A afirmação de Winston Ling, autor do conteúdo investigado aqui, de que o Brasil estaria próximo da imunidade de rebanho, é contestada pelo epidemiologista Fernando Barros. “Não dá pra dizer isso. Nem para o Brasil, nem para outros países. Essa pandemia é muito misteriosa, e sabemos muito pouco sobre esse vírus”, afirma.

O tema ganhou destaque recentemente com o lançamento, em 8 de outubro, de um manifesto chamado “The Great Barrington Declaration and Petition”. Segundo o documento, supostamente assinado por cientistas e não cientistas, continuar com políticas de restrições rigorosas até que uma vacina esteja disponível poderia causar “danos irreparáveis, com os menos privilegiados sendo desproporcionalmente prejudicados”. Por isso, grupos com menos possibilidade de contaminação, como os jovens, deveriam retomar a vida normal.

Em oposição a esse texto, um grupo de cientistas lançou o memorando John Snow (referência ao médico do século 19 considerado um dos fundadores da epidemiologia moderna). O material, entre outros argumentos, afirma: “A taxa de mortalidade por infecção covid-19 é várias vezes superior à da gripe sazonal e a infecção pode levar a doença persistente, inclusive em pessoas jovens previamente saudáveis (isto é, covid longo). Não é claro quanto tempo dura a imunidade protetora e, como outros coronavírus sazonais, o Sars-CoV-2 é capaz de reinfectar pessoas que já tiveram a doença, sendo a frequência de reinfecção desconhecida. A transmissão do vírus pode ser mitigada por meio do distanciamento físico, uso de máscaras, higiene das mãos, etiqueta respiratória e evitando aglomerações e espaços mal ventilados. Testes rápidos, rastreio de contatos e isolamento também são essenciais para controlar a transmissão. A Organização Mundial de Saúde tem defendido estas medidas desde o início da pandemia.”

Casos de reinfecção têm sido noticiados, inclusive no Brasil, colocando em xeque a ideia de imunidade de rebanho. Minas Gerais, por exemplo, investiga seis casos de pessoas que podem ter sido contaminadas mais de uma vez. Em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, um caso foi confirmado pela Universidade de São Paulo (USP), segundo reportagem da CNN Brasil. Fora do país também há confirmações nos Estados Unidos, em Hong Kong e na Europa. Em setembro, no entanto, a OMS chegou a afirmar que os casos seriam “quase irrelevantes estatisticamente falando”, conforme matéria do portal UOL.

Julio Croda, da Fiocruz e da UFMS, também questiona a alegação de que o Brasil estaria supostamente próximo de atingir a chamada imunidade de rebanho. Ele defende que não há dados que indiquem isso. Croda estima que seria necessário ter um caso a cada 100 mil habitantes, o que equivaleria a menos de 2 mil casos de média móvel, para atingir uma possível imunidade coletiva no Brasil. Em 21 de outubro, a média móvel de novos casos era de 22,7 mil, mais de 10 vezes maior do que essa marca.

“A gente tem parte da imunidade de rebanho, mas não está atingindo o controle da covid-19 por essa imunidade. Ainda está muito longe, ainda tem um número bastante excessivo de óbitos e casos neste momento para a gente afirmar que, como Brasil, a gente está atingindo a imunidade de rebanho. É muito mais um comportamento sazonal”, afirma, ao explicar o número menor de casos no país nas últimas semanas, que aparecem nos gráficos exibidos na postagem investigada pelo Comprova.

A diretora científica da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, também se pronunciou sobre o assunto. Ela afirmou que a imunidade de rebanho é perigosa, pois 1% da população mundial (77 milhões de pessoas) poderia morrer para que se alcançasse a imunização coletiva natural.

Os gráficos

Os gráficos exibidos na postagem aparecem, de fato, na página do Ministério da Saúde que reúne dados sobre covid-19 no país (prints abaixo).

O primeiro mostra o número de casos novos da covid-19 conforme a semana epidemiológica da notificação. Os dados mostram 15 semanas consecutivas de aumento no número de casos novos notificados, entre a 13ª e 27ª semana, e um pico de casos novos alcançado na 30ª semana epidemiológica, no fim de julho. Na ocasião, o país registrou 319,6 mil casos da doença. Os dados também indicam que houve queda de novos casos nas últimas cinco semanas epidemiológicas. Nas últimas 13 semanas, somente em três houve aumento de novos casos.

O segundo gráfico apresenta a evolução de mortes por covid-19 conforme a semana epidemiológica de notificação. O resultado dos óbitos segue padrão semelhante ao de casos confirmados, com crescimento durante 11 semanas, da 13ª até a 24ª semana epidemiológica, e pico de mortes também atingido na 30ª semana, com 7,6 mil óbitos notificados.

O número de mortes também está em queda nas últimas cinco semanas consecutivas e, das últimas 12 semanas, apresentou alta de óbitos em apenas duas. Os prints abaixo já possuem dados da 43ª semana epidemiológica, que não aparecem no print usado na postagem verificada.

É, aparentemente, nessa queda de casos e também de óbitos em que o autor se baseia para sugerir que o país estaria perto de “atingir a tão desejada imunidade de rebanho”. Como destacam os especialistas ouvidos pelo Comprova, a afirmação de Ling não tem qualquer base.

Procurado pelo Comprova, o Ministério da Saúde não chegou a confirmar se o gráfico foi retirado do site e informou que “a queda no número de casos, mesmo em cenários onde está havendo liberação das medidas de isolamento social, pode sugerir a existência de um grupo de indivíduos imunes à doença, permitindo uma redução na transmissibilidade média na população. No entanto, não se pode afirmar, ainda, que há uma imunidade de rebanho. Cabe destacar que, como se trata de uma doença nova, ainda existem incertezas a respeito da imunidade ao SARS-CoV-2”.

Foto: Reprodução/Projeto Comprova

Foto: Reprodução/Projeto Comprova

Quem é o autor do tuíte

Winston Ling é empresário e investidor brasileiro, hoje morando em Hong Kong. Ele ganhou visibilidade por ter apresentado o ministro da Economia Paulo Guedes ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em abril, posicionou-se publicamente contra a acusação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de que a China seria responsável pela pandemia.

“A diplomacia foi inventada para evitar a guerra, por isso existe uma série de regras e etiqueta que devem ser seguidas pelos homens públicos, mas que não precisam ser seguidas por cidadãos comuns. O fato do Eduardo ser filho do presidente agravou a situação”, afirmou, ainda em abril, em matéria da Folha.

Contrário à indicação do desembargador Kassio Marques ao Supremo Tribunal Federal (STF) feita por Bolsonaro, chegou a anunciar via Twitter seu desembarque do governo. Porém, voltou atrás em seguida.

Por que investigamos?

Em sua terceira fase, o Projeto Comprova investiga conteúdos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia. Conteúdos equivocados em relação à covid-19, como o verificado aqui, são perigosos porque colocam a saúde da população em risco e podem custar vidas.

Como demonstram especialistas abordados para esta verificação, a imunidade de rebanho sem uma vacina não é apoiada pela comunidade científica, tampouco tem eficiência comprovada — por não haver provas de sua eficácia e por não existir um local que tenha usado o recurso com sucesso. Além disso, não existem dados suficientes para afirmar que a queda de infecções e de mortes por coronavírus no Brasil seja consequência da imunidade de rebanho.

O tuíte de Winston Ling teve mais de 1,9 mil interações (entre curtidas, comentários e replicações) até 22 de outubro.

O Comprova já verificou outros conteúdos que podem colocar em risco a saúde da população. Entre eles, o que sugere que pode haver vacina somente quando boa parte da população já estiver sido contaminada (o que tem relação com imunidade coletiva); o que sugere que as vacinas em teste no Brasil não passaram por ensaios pré-clínicos e o que questiona eficiência das máscaras.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo que usa dados imprecisos, que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

O Diário do Nordeste integra a coalizão de 28 veículos de comunicação para verificar informações falsas e conteúdos enganosos e combater a desinformação. Esta checagem foi realizada por A Gazeta, Diário do Nordeste, Folha de São Paulo e UOL.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil