Governo de São Paulo anuncia fechamento do hospital de campanha do Pacaembu

Hospital de campanha está com menos de 50% de ocupação; Bruno Covas (PSDB), atual prefeito de São Paulo, disse nesta sexta-feira (26) que "isso dá tranquilidade para fechar"

Fotografia do hospital de campanha do Pacaembu
Legenda: Hospital de campanha do Pacaembu custou R$ 23 milhões e curou mais de 90% dos internados
Foto: Reprodução

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta sexta (26), que a sua gestão vai fechar, na próxima segunda-feira (29), o hospital de campanha do Pacaembu, na zona oeste da capital. Ele argumentou que a taxa de ocupação de leitos nas estruturas de campanha para o enfrentamento do novo coronavírus vem caindo desde o começo do mês.

Inicialmente orçado em R$ 28 milhões, o hospital do Pacaembu acabou custando aos cofres da prefeitura R$ 23 milhões e conseguiu recuperar mais de 90% dos internados.

Segundo Covas, a taxa de ocupação nos últimos dez dias nos hospitais de campanha está abaixo de 50%. "Isso dá tranquilidade para fechar os 200 leitos do hospital do Pacaembu", disse.

Questionado sobre se o risco de fechar a estrutura simultaneamente à passagem da capital da fase laranja para a fase amarela do Plano SP, com a possibilidade de reabertura de bares, restaurantes e salões de beleza, o prefeito apontou que o hospital de campanha do Anhembi tem uma reserva de 900 leitos que podem ser acionados se for necessário.

Covas já havia esclarecido também que, a pedido do Centro de Contingência do Coronavírus, vai esperar até a atualização das fases do plano na próxima sexta-feira, 3 de julho, e, só se a cidade for confirmada na terceira etapa de flexibilização da quarentena, permitirá que esses comércios voltem a funcionar.