Fake news atingem 85% das mensagens sobre coronavírus checadas pelo Ministério da Saúde

Essas mensagens fazem parte de um grupo de correntes, com textos em formato de notícias e áudios ligados ao novo coronavírus recebidos pela pasta no último mês, por meio do serviço "Saúde sem fake news", criado para analisar notícias falsas

Legenda: O ministério recebeu e analisou 6.500 mensagens entre 22 de janeiro e 27 de fevereiro, por meio do canal de checagem
Foto: Divulgação/Ministério da Saúde

Coronavírus veio do inseticida? Paciente com coronavírus foi curada em 24 horas com medicamentos de aids? Coronavírus é eliminado com tigela de água de alho bem fervida? O Ministério da Saúde alerta: tudo isso é fake news.

Essas mensagens fazem parte de um grupo de correntes, com textos em formato de notícias e áudios ligados ao novo coronavírus recebidos pela pasta no último mês, por meio do serviço "Saúde sem fake news", criado para analisar notícias falsas.

Saiba mitos e verdades sobre o novo coronavírus
> Calor mata o coronavírus? Adianta usar máscaras? Médico tira dúvidas sobre a doença

Não é pouca coisa. De 6.500 mensagens recebidas e analisadas entre 22 de janeiro e 27 de fevereiro, 90% eram relacionadas ao novo vírus. Desse total ligado ao coronavírus, 85% eram falsas. Os dados são de balanço divulgado nesta sexta-feira (28).

Segundo o secretário-executivo do ministério, João Gabbardo dos Reis, foram identificadas 41 tipos de mensagens mais recorrentes sobre o tema.
O uso de vitaminas e chás que alegam curar a doença é a mais comum. "E sempre são notícias falsas, porque nenhuma dessas indicações têm comprovação científica de que possa ser benéfica para quem está com coronavírus", diz Gabbardo.

Também é frequente o recebimento de mensagens com teorias da conspiração de que o vírus teria sido criado em laboratório ou disseminado deliberadamente – tudo isso é falso, afirma a pasta.

90%
Das informações enviadas ao canal de checagem de informações do Ministério da Saúde eram relacionadas ao novo coronavírus

Em janeiro, quando o maior número de casos novos ainda era concentrado no China e havia menos informação sobre o vírus, também era comum o envio de vídeos e fotos de pessoas caindo e desmaiando nas ruas –o problema é que tudo era "fake", de novo. "São vídeos que tinham sido publicados muito antes do aparecimento do coronavírus", afirma o secretário. 

A pasta costuma colocar um carimbo de "isto é fake news" para informar quais notícias são falsas e "isso é verdadeiro" para as já checadas e confirmadas. O número para recebimento das mensagens é (61) 99289-4640.

Nas últimas semanas, a Organização Mundial de Saúde tem apontado as fake news como um dos principais desafios em relação ao novo coronavírus. A orientação é que pessoas busquem informações em fontes oficiais.

MANUAL PARA NÃO PROPAGAR FAKE NEWS 

- Busque a fonte original
- Faça uma busca na internet: muitos casos já foram desmentidos
- Cheque a data: a "novidade" pode ser antiga
- Leia a notícia inteira
- Cheque o histórico de quem publicou
- Se a notícia não tem fonte, não repasse 

CORONAVÍRUS

A disseminação de casos suspeitos e confirmados do novo coronavírus provoca várias dúvidas. Mas, não há motivo para desespero, reforça o infectologista Danilo Campos, que foi ouvido pelo Sistema Verdes Mares para tirar dúvidas sobre o assunto. Um dos esclarecimentos feitos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que pessoas que não tenham sintomas respiratórios não precisam utilizar máscara cirúrgica.

Essa não é a primeira vez que o mundo entra em alerta por causa de uma doença. Nos últimos séculos, várias epidemias amedrontaram a população e deixaram número de vítimas em grandes proporções.


Categorias Relacionadas